quinta-feira, 22 de julho de 2010

Laços kármicos

Toda interação entre os seres humanos deveria ser vivida no amor. Isto seria um fato se nós já tivéssemos aprendido a amar, mas o que ocorre é que não sabemos, e estamos aqui justamente para aprender.

Toda ação gera karma, bem como todo pensamento, toda emoção, toda palavra. Não há como interagir no mundo sem criar karma. Quando há amor verdadeiro o karma é positivo, e quando não, o karma é negativo. Em geral chamamos de karma a condição negativa, e podemos dizer que se trata de pura falta de amor.

Então as relações que deveriam acontecer em amor incondicional e compaixão, são encobertas pelas sombras da traição, da tirania, do ciúmes, da vitimização, e tantas outras que conhecemos muito bem. Os laços que se formam em toda relação - sejam pais, filhos, amigos, casais, amantes, etc. -, deixam de ser puros e leves e passam a ser amarras kármicas. Enquanto estes laços não forem purificados, estas almas estarão enlaçadas umas às outras, por muitas vidas e mesmo milhares de anos. Alguns destes laços são extremamente profundos e antigos, e necessitam de situações especiais para virem à tona, são como nós fortemente atados que criam bloqueios em diversas áreas de nossas vidas.

Este processo de purificação é o que chamamos de dívida kármica, e não há como escapar dela, talvez possam ser amenizadas, ser pagas de variadas formas, mas sempre haverá uma forma de compensação, onde o mal deverá ceder lugar ao bem.

Numa relação não baseada no amor verdadeiro, haverá sempre uma vítima e um algoz. Há aqueles que geralmente sucumbem a um papel ou ao outro, mas de toda forma a reparação deverá ser feita por ambos, enfim a vítima terá que sair do seu papel através do perdão e da compaixão, e o algoz do seu, através da reparação e do amor.

No final é sempre o amor quem ganha, é ele que está sempre por trás, mesmo nas relações mais trágicas, é ele, o amor, que triunfará, e libertará todos os lados da questão. O verdadeiro amor liberta, torna todas as relações puras, belas e embebidas na alegria. Até lá, haverá muita escravidão de almas.

Mesmo os casos de obsessão são laços kármicos, situações conflitantes de vidas presentes ou passadas o são também. Os laços existem realmente no nível energético dos indivíduos, eles são como cordões luminosos que ligam nossos chakras aos chakras de todas as pessoas com quem nos relacionamos no presente e passado em todos as eras da humanidade. Desta forma formamos uma grande teia com toda humanidade, somos parte indivisível do Todo e o Todo está em nós.

Não há vida sem relação, não há alegria sem perdão, sem a purificação de todos os nossos laços. E nós podemos verificar isso observando a nossa reação interna diante das pessoas, onde há desconforto, onde há desejo, onde há paixão, onde há ódio, lá no fundo está uma questão a ser esclarecida e purificada.

Este não é um trabalho rápido, não é alguma coisa que podemos corrigir em um único (ou alguns) workshops, embora possam muito ajudar. Este é o trabalho de uma alma, de toda uma vida ou muitas, quando já não desejamos mais criar karma no mundo, quando estamos prontos para verdadeiramente aprender a amar; quando não mais toleramos nossas falhas e desejamos ir fundo em nós mesmos e encontrar a cura para todas as nossas dores.

E quando curamos a nós, curamos a uma parte do mundo a nossa volta, lembra-se da teia da qual falamos? O fato de estarmos ligado a tudo e a todos faz com que esta teia seja holográfica, e a cura se dá simultâneamente em todos os fatos, em todas as épocas, e atinge a todos sem exceção. O processo de cura e purificação dos laços kármicos é extremamente poderoso, e capaz de iluminar o mundo!

por Ana Liliam

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails