quinta-feira, 24 de março de 2011

Descoberta uma rede neural capaz de perceber a ternura

O cérebro humano tem um sistema criado especialmente para o toque

O corpo humano possui uma rede neural especializado na interpretação da carga emocional de uma carícia. A rede é independente dos neurônios toque e é ativado somente quando elas percebem o amor, o que revela a importância que a natureza dá a ternura nas relações humanas. Esta rede neural permite que um bebê sinta o amor de seus pais antes do nascimento, e é a base dos relacionamentos, família e sociedade. Por Eduardo Martínez.

Um recém-nascido é capaz de sentir o calor de uma carícia antes de perceber que alguém  o está a tocar, segundo a pesquisa realizada na Universidade de Montreal e publicado na revista Nature Neuroscience.

Os pesquisadores foram capazes de determinar o papel de uma rede de nervos táteis e os neurônios corticais que são especificamente projetados para não descobrir toque em si, mas a emoção colocada nele por uma mãe ou um amante. O toque desencadeia uma rede neural especializada nos contatos que tem implícita uma carga emocional.

Até agora, eram bem conhecidas redes neurais associadas ao toque e ao registrar a sensação de calor, frio ou dor, mas ignorava-se o papel desempenhado pelas redes de fibras finas conhecidas como condução lenta.

Essas redes foram associados principalmente com os gatos, mas os pesquisadores Yves Lamarre, da Universidade de Montreal e seu colega Hakan Olausson, do Sahlgrenska University Hospital na Suécia, têm encontrado agora que essas fibras, ativadas por estímulos agradáveis, agem em área cortical do cérebro que é responsável pela interpretação de toque agradável.

Amor sem tato

A descoberta foi conseguida com um paciente submetido ao toque, enquanto se observa a ativação do córtex por ressonância magnética. Este paciente tinha perdido o sentido do tato, mas podia sentir o frio, calor ou dor... e também garantir que estava recebendo um toque agradável, sem ser capaz de sentir a mão do investigador.

Em observações comparativas do paciente com um grupo paralelo criado para comparar a questão, foram encontradas, através de imagens cerebrais, que haviam duas áreas intimamente ligadas à experiência de ativação neuronal.

Uma área do cérebro se ativa ao perceber uma relação táctil, mas no caso do paciente enfermo só reagiu a região cerebral capar de perceber a emoção depositada em uma carícia, enquanto que a especializada no tato permanecia invariável, ao carecer de sensações tácteis.

A carga emocional depositada em um toque é registrado pelo córtex insular, o que só é ativado quando percebemos sentimentos amorosos ou atração para o amor. Esta descoberta confirma a grande importância de ternura nas relações humanas, bem como a comunicação de toque e tátil, cheia de emoção, nas relações amorosas, quer da família ou do casal, bem como nas relações sociais.

Bebês amados

Outro fato surpreendente é que os bebês desenvolvem a partir dos oito meses de gravidez, a capacidade de interpretar uma carícia, mesmo que careçam do conhecimento táctil até depois do nascimento, o que significa que eles podem perceber o amor de seus pais desde o nascimento e descobrir quem são amados antes do nascimento.

Esta conclusão também confirma a importância do toque após o parto, porque a rede neural que interpreta o toque é o único contato que o toque do bebê com o exterior por um tempo após o nascimento.

http://www.tendencias21.net/Descubierta-una-red-neuronal-capaz-de-percibir-la-ternura_a26.html

Um comentário:

Adelia Ester Maame Zimeo disse...

Execelente post! Cada vez mais as Ciências vão pesquisando e concluindo sobre as funções neurais e suas ligações com o nível emocional. Beijos.

Related Posts with Thumbnails