segunda-feira, 23 de maio de 2011

Cientistas descobrem possível planeta habitável


Correio Braziliense
17 de maio de 2011 
PALOMA OLIVETO

Ainda não dá para pensar em arrumar as malas e se mudar para lá. Mas cientistas do Instituto Pierre Simon Laplace, da França, conseguiram identificar o primeiro exoplaneta com clima semelhante ao da Terra, característica que o tornaria habitável. Em um artigo publicado ontem na revista especializada The Astrophysical Letters Journal, eles descrevem o Gliese 581d, que orbita a estrela anã Gliese 581, uma das mais próximas do Sol da Via Láctea. Dois outros planetas do mesmo sistema já haviam sido candidatos à colonização humana, mas foram descartados depois de estudos mais aprofundados.

"O primeiro planeta analisado foi o Gliese 581c", conta ao Correio Robin Wordsworth, principal autor do artigo. "Mas ele está muito perto (da estrela a qual orbita) e, então, recebe muita luz. Infelizmente, ele recebe tanta energia que, se tivesse um oceano, a água iria ferver, progressivamente aquecendo o planeta em um efeito estufa em cadeia, o que eliminaria qualquer chance de vida. Há outro planeta que poderia ser habitável, o Gliese 581g, mas há sérias dúvidas sobre sua existência, porque sua detecção foi incerta", diz.

Agora, porém, os cientistas não têm dúvidas de que o novo planeta descrito é um provável candidato à vida. Com massa sete vezes menor à da Terra, mas duas vezes maior em tamanho, ele tem uma atmosfera fina, que consegue reter calor de forma suportável. À noite - o Gliese 581d tem um lado escuro -, o clima resfria, mas não congela. Para chegar a essas conclusões, os cientistas desenvolveram um modelo computacional que simula o clima nos exoplanetas, aqueles que orbitam uma estrela fora do Sistema Solar. Assim como os modelos usados para os estudos climáticos da Terra, a tecnologia permite testar diversas condições, como a exposição a tipos de gases e nuvens.

Longa viagem

As observações mostraram que o Gliese 581d pode suportar oceanos, nuvens e chuvas. A 20 anos-luz, o planeta é um dos mais próximos vizinhos da Terra. Mas, ainda assim, vai demorar algum tempo para que seja possível alcançá-lo. A mais rápida nave disponível atualmente, a Voyager 1, levaria 300 mil anos para chegar lá. "Ainda não temos a tecnologia para investigar a presença de vida no planeta, mas as coisas estão avançando rápido. Basicamente, para encontrar bioassinaturas nesse planeta, precisamos de um enorme telescópio, que poderia ficar tanto aqui ou no espaço", diz Wordsworth.

Apesar da descoberta promissora, o astrofísico avisa que muitos estudos precisam ser feitos antes de os terráqueos pensarem em colonizar o planeta. "Quando os cientistas falam de planetas habitáveis, isso significa que podem abrigar qualquer tipo de vida. Os micróbios, por exemplo, só precisam de algum tipo de fonte de energia, alguns nutrientes e água líquida. Já os seres humanos são mais volúveis - só podemos sobreviver se houver oxigênio livre e uma razoável faixa de temperatura. Os cenários que testamos mostram que o Gliese 581d poderia ser venenoso para os seres humanos, mas bastante viável para outros tipos de vida", diz. Para colonizar um planeta assim, além de uma superavançada tecnologia espacial, seria necessário adaptar os níveis altos de CO2 encontrados na atmosfera do exoplaneta. Nada que, um dia, a ciência não consiga fazer.

enviado por Izabel

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Adão e Eva adormecidos no paraíso


Adão e Eva decidiram provar do fruto da árvore do conhecimento - uma vez que no paraíso só havia a possibilidade do bem, e eles desejavam conhecer e viver no livre arbítrio e escolher entre o bem e o mal -, o que a história não conta é que a maçã era indigesta e que eles cairam em um profundo sono desde então...

Não sabemos deste fato, porque quem contou a história também estava dormindo! Nesta nova versão Adão e Eva representam a humanidade que decidiu viver o livre arbítrio, e que para isto pagou o preço de esquecer de sua origem divina - esta é a perda do paraíso. Órfãos de Deus em seu esquecimento, a humanidade defrontou-se com o medo e a dor em um mundo inóspito, e a partir daí criou suas defesas e vive a ilusão de estar separada, uns dos outros, e separados de Deus e de toda criação.

Mas de fato nada disso ocorreu... O mundo apartado do Criador não passa de um mundo de ilusões, um sonho ou pesadelo vivido por cada um de nós. Tudo aqui só nos parece real enquanto dormimos, como nos sonhos que sonhamos, e nos quais acreditamos, mesmo que terríveis sejam, até o momento de nosso despertar, para afirmar: foi só um sonho!

Imagine que este sonho vai mais além, abrange tudo o que chamamos realidade, envolve a inúmeros outros indivíduos/sonhadores, e cria um mundo espetacular em mirídades de realidades menores nas quais nos deslocamos através do campo de afinidade de nossas crenças. O mundo funciona como uma grande sala de espelhos! Reflete a realidade interior que trazemos e moldamos em inúmeras vidas/sonhos nesta nossa experiência terrena.

Um dia vamos todos despertar, e alguns já estão despertos e chamam todos a este novo acordar. Um dia compreenderemos que tudo foi um sonho, e que afinal nossos pecados já estão todos perdoados, até porque nunca existiram de fato! Um dia perceberemos que todos os horrores que contemplamos neste mundo, mesmo que pela TV, jamais existiram tampouco, e que tudo está perdoado! Neste dia nos sentiremos realmente aliviados!

No entanto este perdão absoluto só está disponível para quem está neste momento despertando, enquanto todos os outros ainda acreditam em seus erros, em seus crimes, nos erros e crimes cometidos no mundo, e longe do perdão fomentam mais dor e vingança no mundo.

Acordar significa reencontrar o paraíso perdido, ingressar num mundo de paz e luz, onde todos seremos felizes afinal. Acordar também significa deixar para trás todas as crenças errôneas nas quais construímos nossas defesas e muros de lamentação e dor. Acordar é viver um longo processo de perdão, a nós, ao mundo, a todos - foi tudo um sonho onde já não faz mais sentido ferir ou sentir-se ferido. Da alma imortal pedaço algum pode ser retirado.

Despertar é não mais estar sujeito as leis deste mundo, mas a leis maiores e benignas. Despertar é não mais crer em um mundo de medo e dor, mas crer acima de tudo em um mundo de amor e paz, ao qual temos direito.

Permanecer adormecidos é continuar na roda do Sansara, em um nascer e renascer sem fim, é viver enredados nos véus da ilusão da matéria, é estar sujeito a lei do karma interminavelmente... Para acordar é preciso querer descobrir a verdade que há escondida em muitos véus, é preciso buscar fundo em nós mesmos esta verdade, e os caminhos se abrirão para nós.

Acordar tem sido para bem poucos até então, e talvez estes sejam chamados de loucos, mas o mundo como vemos não é uma loucura maior?

este texto se encontra de acordo com Um Curso em Milagres, Ana Liliam

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Invocação

Do Centro do Universo,
das profundezas do Ser,
do coração do Cosmos,
que desça o Fogo à Terra!

Que ele queime o que não serve,
que ele destrua a podridão,
que ele acenda novas luzes!

Das pequenas presenças
nos corações dos seres
que habitam na Terra inteira,
que ascenda o Fogo ao Céu!
Que a Chama se eleve e brilhe!
Que a Chama derreta a forma!
Que a forma não prenda mais!

Os Fogos da Matéria e do Espírito são um só!
A Terra inteira é Fogo, é Luz, é Cristo,
é um Sol no Céu, uma Estrela de Liberdade!

Eu Sou o Amor, Eu Sou a Luz, Eu Sou o Cristo!

enviado por Wilson

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Orações por Frei Ignácio Larrañaga

ORAÇÃO DA MANHÃ

Senhor!
Enche de esperança o meu coração
e de doçura os meus lábios!

Põe em meus olhos a luz que acaricia e purifica;
em minhas mãos, o gesto que perdoa.

Dá-me valentia para a luta,
compaixão para as injúrias,
misericórdia para a ingratidão e a injustiça.

Livra-me da inveja e da ambição mesquinha,
do ódio e da vingança.

E que, quando eu voltar hoje
para o calor de minha cama,
possa, no mais íntimo de meu ser,
sentir que estás presente.
Amém!

ORAÇÃO DA NOITE

Meu pai, agora que as vozes silenciaram e os clamores se apagaram, aqui ao pé da cama minha alma se eleva a Ti para dizer: creio em Ti, espero em Ti, amo-te com todas as minhas forças. Glória a Ti, Senhor.

Deposito em tuas mãos a fadiga e a luta, as alegrias e desencantos deste dia que ficou para trás.

Se os nervos me traíram, se os impulsos egoístas me dominaram, se dei lugar ao rancor ou à tristeza, perdão, Senhor! Tem piedade de mim.

Se fui infiel, se pronunciei palavras vãs, se me deixei levar pela impaciência, se fui um espinho para alguém, perdão, Senhor! Nesta noite, não quero me entregar ao sono sem sentir sobre a minha alma a segurança de tua misericórdia, tua doce misericórdia inteiramente gratuita, Senhor.

Eu te agradeço, meu Pai, porque foste a sombra fresca que me cobriu durante todo este dia. Eu te agradeço porque - invisível, carinhoso, envolvente - cuidaste de mim como uma mãe, em todas estas horas.

Senhor, ao redor de mim tudo já é silêncio e calma. Envia o anjo da Paz a esta casa. Relaxa meus nervos, sossega o meu espírito, solta as minhas tensões, inunda meu ser de silêncio e de serenidade.

Vela por mim, Pai querido, enquanto eu me entrego confiante ao sono como uma criança que dorme feliz em teus braços.

Em teu nome, Senhor, descansarei tranqüilo. Assim seja.

Autor: Frei Ignácio Larrañaga, em "Encontro", enviado por Maria Eliza

domingo, 15 de maio de 2011

O Festival de Wesak, 17 de maio de 2011


O Festival de Wesak é uma celebração anual, que acontece no momento do Plenilúnio [ lua cheia ] do signo de Touro, quando a bênção de Deus é transmitida à Terra, por intermédio de Buda e de Seu Irmão, o Cristo. Paralelamente ao acontecimento espiritual interno, tem lugar a cerimônia física externa, num pequeno vale do Tibet, no Himalaia. O sonho, lenda ou acontecimento pode ser descrito da seguinte forma:

Existe um vale, situado ao pé do Himalaia tibetano, numa altitude bem elevada, rodeado por montanhas, exceto na face nordeste, onde existe uma abertura estreita. Esse vale tem a forma de uma garrafa, com o gargalo voltado para nordeste, abrindo-se para o sul. No extremo norte, perto da abertura, há uma grande rocha plana. As encostas das montanhas estão cobertas de árvores, mas no vale não há árvores nem arbustos – ele está coberto por um tapete de pasto duro.

No momento do Plenilúnio de Touro, começam a chegar peregrinos, homens santos e lamas, que vão ocupando a parte sul e central, deixando o extremo nordeste relativamente livre. Ali, segundo diz a lenda, se congrega um grupo de Grandes Seres que são os custódios, na Terra, do Plano de Deus para o nosso planeta e para a humanidade. Com sua sabedoria, amor e conhecimento, formam uma muralha protetora para a nossa raça, tratando de guiar-nos da escuridão para a luz, do irreal para o real, e da morte para a imortalidade. Este grupo de conhecedores da divindade se coloca nos limites do vale, em círculos concêntricos, de acordo com o grau de desenvolvimento iniciático, preparando-se para um grande Ato de Serviço.

Diante da rocha e voltados para nordeste, se encontram – em níveis etéricos – os Seres chamados “Os Três Grandes Senhores”: o Cristo, que se situa no centro; o Senhor das formas viventes, o Manú, que se situa à direita; e o Senhor da Civilização, o Mestre Rakoczi, que se encontra à esquerda. Sobre a rocha descansa um vaso de cristal cheio de água.

Atrás do grupo de Mestres, Adeptos, iniciados e trabalhadores adiantados no Plano de Deus, se situam os discípulos e aspirantes do mundo, em seus diversos graus e grupos – aqueles que, nesta época, constituem o Novo Grupo de Servidores do Mundo. Alguns estão presentes em corpo físico e chegam por meios comuns; outros estão presentes em seus corpos espirituais e em estado de sonho.

Ao se aproximar o momento da Lua Cheia, produz-se uma grande quietude entre a multidão e todos voltam o olhar para o nordeste. A um sinal dado, os Grandes Seres formam três círculos concêntricos e começam a cantar. Quando o cântico se aprofunda e ganha mais ritmo, os Visitantes etéricos se materializam e uma figura gloriosa se torna visível no centro dos círculos, a qual é chamada por vários nomes: Senhor Maitreya, Bodhisattva, Cristo, Senhor da Paz e do Amor. É o Mestre de todos os Mestres que formam a Hierarquia planetária para levar a cabo o propósito divino deste planeta.

O Cristo aparece vestido com um manto branco puro, Seu cabelo caindo em ondas sobre seus ombros. Ele tem o Cetro de Poder em Sua mão, o qual lhe foi dado pelo Ancião dos Dias para esta ocasião. Nenhum Mestre pode tocá-lo, salvo o Cristo, o Mestre de todos os Mestres. Em cada extremo deste Cetro de Poder, há uma grande empunhadura de diamante, que irradia uma aura azul e alaranjada de grande beleza. Os Iniciados que estão nos três círculos focalizam-no no centro e, quando Ele se torna mais visível, todos Eles se inclinam e cantam um mantra de saudação e afirmação.

Em seguida, estes círculos transformam-se num só círculo e uma cruz, em cujo centro está o Cristo. Aqui novamente o cântico comove os corações e as almas dos presentes, e descem mais alegria, paz e bênçãos sobre a multidão.

O próximo movimento é o triângulo dentro do círculo, em cujo ápice está o Cristo. Ele está de pé perto da pedra e coloca o Cetro de Poder sobre ela. Na rocha, se vê o vaso de cristal com ornamentações douradas e grinaldas de flores de loto que cobrem a rocha e pendem de todos os cantos.

Depois Eles realizam outro movimento, que é um triângulo com três ovais que se entrelaçam no centro do mesmo, onde está o Cristo. O movimento seguinte é una estrela de seis pontas e, depois a estrela do Cristo: o pentagrama ou estrela de cinco pontas. Aqui o Cristo está no ápice, perto da pedra; à sua direita, o Manú; à sua esquerda, o Mestre Rakoczi; um Grande Ser no centro e outros dois Grandes nas pontas inferiores da estrela.

Estão presentes os regentes de todos os tipos de energia: os Mestres Morya, Koot Humi, Veneziano, Serapis, Hilarion, Jesus, e Iniciados, discípulos e aspirantes espirituais; e então o cântico cria uma grande tensão na multidão e Cristo, tomando o Cetro de Poder que estava na pedra, levanta-o e diz: - “ -- Pronto, Senhor, venha..."

Em seguida, coloca novamente seu Cetro de Poder sobre a pedra durante uns poucos momentos antes da Lua Cheia, e os olhos de todos os presentes se voltam para a pedra. A expectativa da multidão aumenta e a tensão torna-se maior e continua crescendo. Através da multidão, parece sentir-se um estímulo ou vibração potente, que tem o efeito de despertar as almas dos presentes, fundindo e unificando o grupo, elevando a todos e realizando-se uma grande ação de demanda, ânsia e expectativa espiritual. É a culminação da aspiração do mundo que se acha enfocada neste grupo expectante.

Poucos minutos antes da hora exata, em que tem lugar o Plenilúnio, se divisa ao longe um pequeno ponto de luz no céu, que ao se aproximar, vai se transformando numa silhueta nítida, que adquire a forma do Buda sentado em sua clássica posição de lotus, envolto em Seu manto cor de açafrão, banhado em luz e cor, e com sua mão direita levantada, abençoando a todos. Quando Ele chega num ponto sobre a rocha, Cristo entoa A Grande Invocação e todos os presentes caem prostrados tocando a Terra com suas frontes.

Esta Grande Invocação cria uma corrente estupenda de energia que inunda os corações dos aspirantes, discípulos e Iniciados, e chega... a Deus. Este é o momento mais sagrado do ano, o momento em que a humanidade e a divindade tomam contato. No momento exato da Lua Cheia, o Buda passa a Cristo a energia do primeiro raio – Vontade – que Cristo recebe e transforma em  Vontade ao Bem.

Cristo é o grande celebrante, estende Suas mãos, pega o vaso, levanta-o sobre Sua cabeça e logo coloca-o de novo sobre a pedra. Então, os Mestres cantam hinos sagrados e o Buda, o Grande Iluminado, depois de abençoar a multidão, desaparece lentamente no espaço.

Toda a cerimônia da bênção, desde que Buda aparece ao longe, até o momento em que desaparece, dura apenas 8 minutos.

O Senhor Buda possui sua modalidade especial de energia, que Ele derrama sobre nós, ao abençoar o mundo. Esta bênção é maravilhosamente excepcional, por sua autoridade e categoria, pois Buda tem acesso a planos da natureza que não estão ao alcance da humanidade; e portanto, pode transmutar e transferir ao nosso plano a energia de planos superiores. Sem a mediação de Buda, esta energia não seria aproveitável, pois sua vibração é muito elevada e nos é impossível percebe-la nos planos físico, emocional e mental. Assim, a energia que Buda difunde, através da sua bênção, encontra canais por onde circular, levando alento e paz àqueles que são capazes de recebê-la.

Ano após ano, Buda regressa para distribuir Sua bênção e a mesma cerimônia se repete. Cada ano, Ele e Seu Irmão, o Cristo, trabalham em íntima colaboração para beneficio espiritual da humanidade. Nestes dois Grandes Filhos de Deus concentraram-se dois aspectos da Vida Divina. Através do Buda, flui a Sabedoria de Deus; através do Cristo, o Amor de Deus se manifesta à humanidade, derramando-se sobre ela na Lua Cheia de Touro.

Nesse momento são possíveis grandes expansões de consciência. Os discípulos e iniciados de todas as partes podem ser ajudados e estimulados espiritualmente, a fim de que possam penetrar conscientemente nos mistérios do Reino de Deus.

Continuando a lenda, quando o Buda desaparece, a multidão se põe em pé e Cristo distribui a água bendita aos Iniciados e a todos que estão presentes no vale. Esta linda “cerimônia da comunhão da água” nos insinua simbolicamente, que a Nova Era já está sobre nós, a Era de Aquário, a do “Portador da Água”. A água magnetizada pela presença de Buda e Cristo contém certas propriedades curativas. Depois da bênção, a multidão se dispersa silenciosamente, encaminhando-se para seus lugares de serviço.

Tal é a lenda por trás deste Festival, e também, tal é a realidade, se nos atrevermos a acreditar nela e se nossas mentes estiverem suficientemente abertas e nossos corações suficientemente expectantes, para reconhecermos sua possibilidade. Esta idéia requer que ajustemos algumas de nossas crenças mais caras. Mas, se puder ser captada e compreendida, surgirá em nossa consciência a possibilidade de a raça humana se conscientizar de sua própria divindade, podendo desenvolver uma Ciência de Aproximação às Forças da Vida e a verdades mais profundas, que ainda estão ocultas.

Homens e mulheres do mundo, guiados em uníssono por Buda, que trouxe a Luz ao Oriente, e por Cristo, que revelou a Luz ao Ocidente, podem pedir e evocar uma bênção e revelação espiritual tão intensas, que num futuro imediato poderá se manifestar aquilo a que a humanidade tanto aspira: “Paz na Terra e boa vontade entre os homens”. Desta maneira, podemos introduzir uma Era de fraternidade e compreensão que permitirá ao homem dispor de mais tempo para se dedicar a buscar Deus por si mesmo.

Podemos participar do Festival de Wesak através do jejum, ou da oração, ou da meditação individual ou grupal. Recitar tanto quanto possível a Grande Invocação nos dois dias que antecedem o Festival e nos dois dias posteriores. O ideal é recitá-la ao amanhecer, ao meio-dia, às cinco da tarde, ao anoitecer e no momento exato do Plenilúnio. Manter-se em estado de permanente atenção e serena expectativa.

A GRANDE INVOCAÇÃO (Recitada no Presente)

Do ponto de Luz na Mente de Deus,
Flui luz às mentes dos homens;
A Luz desce à Terra.

Do ponto de Amor no Coração de Deus,
Flui amor aos corações dos homens;
O Cristo está na Terra.

Do centro onde a Vontade de Deus é conhecida,
Guia o Propósito as pequenas vontades dos homens,
O Propósito que os Mestres conhecem e servem

Do centro a que chamamos raça dos homens
Realiza-se o Plano de Amor e de Luz
E sela-se para sempre a porta onde habita o mal.

A Luz, o Amor e o Poder restabelecem o Plano na Terra,
Hoje e por toda a Eternidade, Amém.

enviado por Thelma Luiza

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Oração ou Meditação da Compaixão



1. Traga à mente - o mais viva e realisticamente que puder - alguém (vivo ou morto) que ame você ou a quem você ame. Torne a captar e até intensifique o seu sentimento por essa pessoa. Diga-lhe o quanto a(o) ama, o quanto deseja que ela seja feliz, o quanto você é grato(a) a ela, por tudo. Faça a Oração da Compaixão por ela (texto abaixo).

2. Escolha uma pessoa que lhe seja indiferente - estranha, ou até desconhecida. Peça permissão à primeira pessoa acima, mentalmente, para partilhar seu amor com essa segunda pessoa, que lhe é indiferente. A pessoa, viva ou morta, concordará porque se trata de uma coisa boa. E também porque cremos na “Comunhão dos Santos”, não é? Partilhe com essa pessoa o sentimento e a qualidade do amor que você tem pela pessoa amada, acima. Fale-lhe desse amor, envolva-a nesse amor, etc. Em seguida, faça a Oração da Compaixão por ela.

3. Escolha um "inimigo" (vivo ou morto). Peça permissão em pensamento às outras duas pessoas, de dividir seu amor com esse ‘inimigo’. Eles sempre irão concordar porque se trata de uma coisa boa, não é? Transfira ao "inimigo" o mesmo amor que você deu às duas pessoas anteriores. Fale-lhe do seu desejo de partilhar o amor, o perdão, etc. Faça a Oração da Compaixão por ela.

Texto da Oração ou Meditação da Compaixão

(Acrescente o que desejar. Reze com intensidade e muita sinceridade.)

"Que você seja feliz.
Que você seja livre.
Que você seja amoroso.
Que você seja amado.
Que o Senhor o(a) leve à mais completa perfeição a que seu amor o chama.
Que você seja bem-sucedido em todos os seus esforços.
Que você experimente a satisfação da paz no corpo e na alma.
Que você conheça o Senhor em toda a sua bondade.
Que você tenha perdoadas todas as transgressões.
Eu perdôo a você de todo o meu coração e alma.
Que você saiba o que significa ser filho de Deus.
Que você experimente a glória de possuir o Reino de Deus.
Que você viva e caminhe em paz e amizade com todas as criaturas de Deus.
Que todas as bênçãos sejam suas.
Que a bondade e o amor mostrem-se em todas as coisas que você fizer e em tudo o que for feito a você.
Que você seja um, com toda a criação de Deus.
Que você experimente as bênçãos da graça de Deus por toda a eternidade!"

Mesmo que voce nao consiga perdoar na primeira vez, vá repetindo o exercício outras vezes, até conseguir perdoar. Que possamos rezar o Pai Nosso, como Ele nos pede: "Pai, perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aos que nos têm ofendido!"

O primeiro livro do padre William Meninger traduzido para o português, “O Processo do Perdão”, que trata desse tema em mais profundidade, acaba de ser lançado pela editora Santuário, e se encontra à venda nas Paulinas/Paulus, etc.
O link para o site é: http://www.oracaocentrante.org/

domingo, 8 de maio de 2011

Feliz DIA das MÃES!



Vamos esclarecer alguns pontos sobre mães, ok?
Desconstruir alguns mitos.
Não, não precisa se preocupar.
Não é nada ofensivo, eu também sou mãe ...e avó!
Vamos lá:

MÃE É MÃE: mentira !!!

Mãe foi mãe, mas já faz um tempão!
Agora mãe é um monte de coisas: é atleta, atriz, é superstar.
Mãe agora é pediatra, psicóloga, motorista.
Também é cozinheira e lavadeira.
Pode ser política, até ditadora, não tem outro jeito.
Mãe às vezes também é pai.
Sustenta a casa, toma conta de tudo, está jogando um bolão.
Mãe pode ser irmã: empresta roupa, vai a shows de rock pra desespero de
algumas filhas, entra na briga por um namorado.
Mãe é avó (oba, esse é o meu departamento!): moderníssima, antenadíssima,
não fica mais em cadeira de balanço, se quiser também namora, trabalha,
adora dançar.
Mãe pode ser destaque de escola de samba, guarda de trânsito, campeã de
aeróbica, mergulhadora.
Só não é santa, a não ser que você acredite em milagres.
Mãe já foi mãe, agora é mãe também.

MÃE É UMA SÓ: mentira !!!

Sabe por quê?
Claro que sabe!
Toda criança tem uma avó que participa, dá colo, está lá quando é preciso.
De certa forma, tem duas mães.
Tem aquela moça, a babá, que mima, brinca, cuida.
Uma mãe de reserva, que fica no banco, mas tem seus dias de titular.
E outras mulheres que prestam uma ajuda valiosa.
Uma médica que salva uma vida, uma fisioterapeuta que corrige uma
deficiência, uma advogada que liberta um inocente, todas são um pouco mães.
Até a maga do feminismo, Camille Paglia, que só conheceu instinto maternal
por fotografia, admitiu uma vez que lecionar não deixa de ser uma forma de
exercer a maternidade.
O certo então, seria dizer: mãe, todos têm pelo menos uma.

SER MÃE É PADECER NO PARAÍSO: mentira!

Que paraíso, cara-pálida?
Paraíso é o Taiti, paraíso é a Grécia, é Bora-Bora, onde crianças não
entram.
Cara,estamos falando da vida real, que é ótima muitas vezes, e aborrecida
outras tantas, vamos combinar.
Quanto a padecer, é bobagem.
Tem coisas muito piores do que acordar de madrugada no inverno pra amamentar
o bebê, trocar a fralda e fazer arrotar.
Por exemplo?
Ficar de madrugada esperando o filho ou filha adolescente voltar da festa na
casa de um amigo que você nunca ouviu falar, num sítio que você não tem a
mínima idéia de onde fica.
Aí a barra é pesada, pode crer...

MATERNIDADE É A MISSÃO DE TODA MULHER: mentira !!!

Maternidade não é serviço militar obrigatório!
Deus nos deu um útero mas o diabo nos deu poder de escolha.
Como já disse o Vinicius: filhos, melhor não tê-los, mas se não tê-los,como
sabê-los?
Vinicius era homem e tinha as mesmas dúvidas.
Não tê-los não é o problema, o problema é descartar essa experiência.
Vivi e estou vivendo tudo o que eu acho que vale a pena nesta vida mesmo,
que é pequena mas tem bastante espaço.
Mas acredito piamente que uma mulher pode perfeitamente ser feliz sem
filhos, assim como uma mãe padrão, dessas que têm umas seis crianças na
barra da saia, pode ser feliz sem nunca ter conhecido Paris, sem nunca ter
mergulhado no Caribe, sem nunca ter lido um poema de Fernando Pessoa.
É difícil, mas acontece.

MAMÃE, EU QUERO: verdade!

Você pode não querer ser uma, mas não conheço ninguém que não queira a sua.

Por Marta Medeiros, enviado por Selme Cristine

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Por que gritamos?

 


Um dia, um filósofo indiano fez a seguinte pergunta aos seus discípulos:
- Por que é que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?
- Gritamos porque perdemos a calma, disse um deles.
- Mas porque gritar quando a pessoa está ao nosso lado? - questionou novamente o pensador.
- Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça, retrucou outro discípulo. E o mestre voltou a perguntar:
- Então não é possível falar-lhe em voz baixa?
Surgiram várias outras respostas, mas nenhuma convenceu o pensador. Então ele esclareceu:
- Vocês sabem por que se grita com uma pessoa quando se está aborrecido? O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, os seus corações afastam-se muito. Para cobrir essa distância, precisam gritar, para poderem escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvirem um ao outro, através da grande distância. Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão apaixonadas? Elas não gritam. Falam suavemente. E por quê? Porque os seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes, os seus corações estão tão próximos, que nem falam, somente sussurram. E, quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer de sussurrar, apenas olham, e basta. Os seus corações entendem-se. É isso que acontece quando duas pessoas se amam, estão próximas.
Por fim o filósofo concluiu dizendo:
- Quando vocês discutirem, não deixem que os seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.

Mahatma Gandhi, enviado por Irene

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Conversa, por Osho



"Se você não sentir vontade de conversar, não converse – não diga uma única palavra que não esteja vindo espontaneamente de você. Não se preocupe se as pessoas acharem que você está ficando maluco. Aceite isso. Se elas acharem que você ficou mudo, aceite isso e desfrute sua mudez!

O problema real é com as pessoas que falam continuamente e não sabem o que estão dizendo nem por quê. Elas continuam a falar porque não podem parar. Mas, se você ficar um pouco consciente de toda a tolice e do problema que se passa na mente, se você ficar consciente de que não existe nada para dizer, de que tudo parece trivial, então você hesitará.

No início parecerá que você está perdendo a capacidade de se comunicar – não é o caso.
Na verdade, as pessoas não conversam para se comunicar, mas para evitar a comunicação.
Logo você será capaz de realmente se comunicar.
Espere e não force.
Não se preocupe com o silêncio.

Você se preocupa, contudo, porque toda a sociedade se sustenta sobre a conversa, sobre a linguagem, e as pessoas muito eloqüentes se tornam muito poderosas na sociedade – líderes, eruditos, políticos, escritores.

Você fica com receio de estar perdendo o domínio da linguagem, mas não se preocupe.
O silêncio é o domínio da linguagem, não se preocupe.
O silêncio é o domínio de Deus, e, quando você souber o que é o silêncio, terá algo a falar.
Quando você entrar fundo em silêncio, pela primeira vez suas palavras carregarão significado.

Então elas não serão apenas palavras vazias, mas estarão repletas de algo do além. Elas têm uma poesia em si, uma dança; elas carregam consigo a graça que você traz em seu interior."

Enviado por Francisco Ulisses

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Lugares mágicos, Peru


Em todo planeta existem lugares que são simplesmente mágicos. Nestes lugares pessoas podem sentir a vibração de uma grande energia. Em geral são lugares junto a uma natureza deslumbrante, mas não necessariamente.

É fácil observar que a natureza é um elemento pródigo na realização de curas, e neste caso não estamos em um lugar tido como especial, mas um belo jardim, uma montanha, um lago, uma cascata, uma singela fonte. Da natureza são retiradas energias próprias para cura a alma e o corpo, e assim podem confirmar terapeutas e médicos que utilizam a beleza e força da natureza para promover a cura.

Mesmo eu, em meu jardim, comprovo esta verdade quase diariamente... Bendita e amada mãe natureza!

Mas também podemos sentir a forte energia que jorra de lugares especiais, seja numa bela praia, numa gruta, na Chapada dos Veadeiros, ou em vários outros cantos do planeta. Vivi esta experiência quando estive no Peru em janeiro de 2008. Foram oito dias de deslumbramento em Cuzco, no Vale Sagrado dos Incas, em Machu Pichu. Por onde eu andava, a sensação de estar diante do sagrado. Em volta, os Andes em montanhas azuladas revelavam sua beleza, no campo o colorido de uma colcha de retalhos marcava os pequenos sítios plantados...

Tudo luz, tudo beleza, tudo cor, esta exaltada no colorido das roupas e artesanato peruano. Por vezes deixei folhas e flores nos altares de pedra nua nos sítios arqueológicos. Quase podia sentir vibrar os rituais, ouvir a preces ancestrais. Tudo parecia vivo, tudo lembrava um outro tempo, um tempo de louvor à Terra, um tempo de gratidão aos deuses da natureza.

Embriagada nesta atmosfera mágica o tempo parecia parar, era um tempo mais lento, que lembrava a eternidade...

Na volta de Machu Pichu, no balanço monótono do trem, em minha tela mental um homem baixo e forte chegou. Vestido com roupas indígenas não deixava dúvida de que era um inca. Apresentou-se como Pacha Kutec, um imperador deste povo. Durante um bom tempo conversamos mentalmente, ele me contou muitas coisas e respondeu a todas as minhas perguntas. Entre outras coisas disse que foi um faraó no Egito, e que outros homens importantes desta antiga nação também encarnaram na América do Sul, com a missão de trazer progresso e justiça social. Disse também que agora trabalha junto com os Seres de Luz pelo progresso espiritual do povo latino americano.

Muitas outras coisas me falou, e este relato faz parte de um livro meu ainda não publicado, espero que um dia todos possam saber o que aprendi de Pacha Kutec. Depois ele se foi, e retornei a Cuzco. No Brasil apressei-me a pesquisar quem era Pacha Kutec, e para meu espanto descobri que ele foi o maior rei inca, aquele que unificou todo o povo e construiu um grande império, com estradas que cortavam grande parte da América do Sul. Os relatos das obras e realizações deste grande rei são impressionantes, bem como toda a organização da sociedade inca sob seu comando.

Mesmo que não tivesse vivido esta experiência com este ser desencarnado, ainda assim posso dizer que tudo neste lugar foi mágico. E a todos eu digo, vão ao Peru, ao Vale Sagrado dos Incas, a Cidade Perdida de Machu Pichu, viver, usufruir de sua beleza, de sua sacralidade, de sua história rica e genuína! Tomara que o tempo pare para vocês lá, e Pacha Kutec possa recebê-los com toda sua sabedoria ancestral!

AOS 85 ANOS FALECE BHAGAVAN SRI SATHYA SAI BABA


A Organização Sri Sathya Sai Baba da América Latina comunica o desaparecimento físico de seu Líder, Bhagavan Sri Sathya Sai Baba, como consequência de uma parada cardiorrespiratória, em sua cidade natal, Puttaparthi, no dia 24 de abril de 2011.

Sai Baba é considerado uma Divindade vivente por mais de 200 milhões de pessoas em mais de 150 nações dos cinco continentes. Todas e cada uma dessas pessoas começaram e continuam em um constante processo de transformação espiritual que se manifesta na vida cotidiana, em ações de serviço desinteressado ao próximo em necessidade e em mudanças na sua forma de viver, com o firme propósito de serem melhores pessoas em todos os aspectos de suas vidas.

A Organização Sri Sathya Sai Baba é um movimento espiritual sem fins lucrativos, todas as suas atividades são livres e gratuitas: ninguém cobra ou paga absolutamente nada.

Bhagavan Sri Sathya Sai Baba abandonou Seu corpo terreno, mas deixa como herança à Humanidade o tesouro de Sua vida dedicada a servir ao próximo sem pensar jamais nele mesmo. Uma vida que não conheceu férias nem prazeres mundanos. Uma vida que foi exemplo de Amor em Ação, que inspirou e inspira milhões de pessoas de todo o mundo. Sua Missão de elevar a consciência espiritual da humanidade continua e se expande no exemplo cotidiano de cada um de Seus seguidores.

Ele não veio fundar uma nova religião, veio promover uma mensagem ecumênica de respeito e valorização de todas as religiões como caminhos válidos para chegar a Deus.

Seu corpo estará exposto, durante os próximos dois dias, em Seu ashram, para que a multidão possa se despedir de Seu mestre espiritual.

A seguir, um breve resumo da Vida, Obra e Mensagem de Sai Baba

Sathya Sai Baba nasceu em 23 de novembro de 1926. Foi batizado como Sathya Narayana Rajú e, desde muito pequeno, mostrou extraordinárias qualidades e aptidões que o distinguiam, claramente, das outras crianças. Sua compaixão, benevolência, sabedoria e generosidade com todos os seres vivos produziram profundas e positivas mudanças de caráter e de conduta nas pessoas ao seu redor.

No dia 20 de outubro de 1940, aos 14 anos, comunicou a seus familiares e seguidores que, a partir daquele momento, seria conhecido com o nome de Sai Baba e que Sua missão era promover a regeneração espiritual da humanidade, demonstrando e ensinando os valores humanos universais como a verdade, a retidão, a paz, o amor e a não violência, missão que cumpriu até o último instante de sua vida.

Sua Obra e Sua Mensagem
Saúde

Sathya Sai Baba se destaca pela magnitude e variedade de Suas obras, as quais, além de serem manifestações de seu amor em ação, são um farol que inspira milhões de pessoas ao redor do mundo. Na área da saúde, construiu dois hospitais gerais e dois hospitais de super especialidades médicas com particularidades que os fazem únicos no mundo, tais como serem absolutamente gratuitos e com atenção prioritária para a população sem recursos.

1. Saúde para o corpo e o espírito: O traço mais distintivo dos hospitais de Sai Baba é a consciência de que tanto os médicos como enfermeiros e pessoal administrativo possuem sobre o verdadeiro conceito da saúde. Para eles, o paciente não é um doente, mas um ser com direito ao melhor atendimento médico e a melhorar sua qualidade de vida e, principalmente, um ser que não se resume a um corpo, mas que tem uma alma.

2. Excelência Médica: A equipe permanente é formada por prestigiosos profissionais da Índia e por reconhecidos médicos da Europa, Estados Unidos, América Latina e Oceania. As especialidades são de alta complexidade: Cardiologia, Cirurgia Torácica e Vascular, Urologia, Oftalmologia, Cirurgia Plástica: congênitas, leporinos, deformações e defeitos, neoplasmas, etc, Ortopedia, Gastroenterologia, Neurologia e Neurocirurgia.

3. Estatísticas assombrosas: Os hospitais de Super Especialidades de Sai Baba são reconhecidos na comunidade médica internacional por seus resultados. Ostentam a taxa de mortalidade por operação mais baixa da Ásia, inferiores aos principais centros médicos do primeiro mundo. O mesmo ocorre com as taxas de infecção por operação.

4. Os pobres, primeira prioridade: Sai Baba ensina que a saúde é um direito de cada ser humano e não um privilégio para uns poucos que podem pagar por ela. Por isso, os desprovidostem prioridade de atendimento em seus hospitais.

Como exemplo da repercussão de sua obra na saúde, o atual Primeiro Ministro da Índia, Manmohan Singh, disse: “Estive em muitos hospitais em várias partes do mundo, mas em nenhum lugar vi algo tão magnífico como a obra de Sri Sathya Sai Baba. Outro exemplo de seu dom divino com as pessoas”.

Projeto de Água Potável

O excesso de flúor nas camadas de água no estado de Andhra Pradesh, na Índia (onde está o ashram de Sai Baba) é a principal causa de uma grave doença degenerativa, chamada fluorose. Essa doença devora as extremidades até impedir que se possa ficar em pé e provoca, entre outros quadros, a perda dos dentes. Os membros da Universidade Sathya Sai de Ciências criaram um dispositivo que filtra e retém o excesso de flúor com êxito. Depois dessa descoberta, Sai Baba decidiu empreender a obra de fornecer água potável para as populações afetadas, com estes resultados:

Mais de 750 aldeias foram contempladas;

Mais de 2,2 milhões de pessoas com escassos recursos agora têm acesso a água potável;

Para realizar a obra, foi criada uma rede de mais de 2.300 quilômetros de canos;
Foram construídas 186 represas com diferentes capacidades de armazenagem que variam desde 20.000 a 1.000.000 de litros.

Essa obra é a maior de seu gênero em todo o mundo realizado por uma organização não governamental.
Educação       

A educação é um ponto central nos ensinamentos e obra de Sai Baba, que desenvolveu o Programa Sathya Sai de Educação em Valores Humanos (PSSEVH). Ele afirma que a educação tem dois aspectos: o primeiro está relacionado com a aquisição de conhecimentos mundanos ou seculares, e o segundo com os valores humanos. A palavra “Educare” significa deixar sair o que está dentro: Sai Baba ensina que os valores humanos são inatos e que, mais do que serem aprendidos, devem ser compreendidos. É pela ausência desses valores que as pessoas “educadas” estão imersas na preocupação e na ansiedade.

Como consequência disso, o PSSEVH, ou Educare, promove o desenvolvimento do caráter junto com a aquisição de conhecimentos.

Em linhas gerais, o desenvolvimento do caráter se baseia na harmonia e coerência entre pensamento, palavra e ação e na prática ativa dos valores da paz, amor, verdade, retidão e não violência. Isto vale tanto para os alunos como para os professores, os quais devem ser os primeiros em levar vidas exemplares praticando os valores: “Primeiro sejam, depois façam, logo ensinem”, aconselha Sai Baba.
Para promover o despertar desses valores, estabeleceu um sistema educacional na Índia completamente gratuito de escolas de primeiro e segundo graus, e uma reconhecida Universidade com pós-graduação, que busca tanto o desenvolvimento do caráter como a excelência acadêmica. Nessas instituições, os alunos recebem o currículo oficial do país impregnado pelos cinco valores e seus sub-valores, como cooperação, dedicação, responsabilidade, tolerância, virtude, etc.

Esse elevado programa se distingue por promover o uso dos conhecimentos acadêmicos para benefício de toda a humanidade e procura que o estudante leve uma vida com um sentido mais sublime que o comum, aspirando ao desenvolvimento espiritual e intelectual de forma conjunta.

A universalidade desse sistema se torna evidente quando observamos sua repercussão no mundo: mais de 170 países o adotaram com sucesso. Os programas de Educação Sathya Sai não apenas proporcionam educação formal nos três níveis – primeiro, segundo e terceiro grau – mas também oferecem uma ampla e variada educação não-formal fora da escola. Essa educação é dada nos Centros e Grupos Sai de todo o mundo e em escolas complementaresatravés de oficinas e seminários para crianças, adolescentes e adultos.

NA AMÉRICA LATINA

A Organização Sri Sathya Sai Baba está presente em todos os países da região. Estima-se que o número de seguidores supere os dois milhões de pessoas. Em todos os países nos quais está presente a Organização, a obra de educação e serviço se repete de acordo com os ensinamentos de Sai Baba: atividades livres, gratuitas e orientadas àqueles em necessidade.

 

enviado por Vera

domingo, 1 de maio de 2011

Diamante


Agora a moda é, em vez de ser enterrado em um caixão, ou ser cremado, virar diamante após a morte.
Ao custo de alguns milhares de euros e graças a uma sofisticada transformação química, uma empresa suíça agora garante ao falecido reservar seu lugar na eternidade sob a forma de um diamante humano.
Na Suíça, a empresa Algordanza recebe a cada mês entre 40 e 50 urnas funerárias procedentes de todo o mundo. Seu conteúdo será pacientemente transformado em pedra preciosa.
'Quinhentos gramas de cinzas bastam para fazer um diamante, enquanto o corpo humano deixa uma média de 2,5 a 3 kg depois da cremação', explica Rinaldo Willy, um dos co-fundadores do laboratório onde as máquinas funcionam sem interrupção 24 horas por dia. Ou seja, cada defunto pode gerar uns 5 diamantes, ou mais, dá para distribuir para toda família.
Os restos humanos são submetidos a várias etapas de transformação. Primeiro, viram carbono, depois grafite. Em seguida são expostos a temperaturas de 1.700 graus, finalmente se transformam em diamantes artificiais num prazo de quatro a seis semanas. Na natureza, o mesmo processo leva milênios.
'Cada diamante é único. A cor varia do azul escuro até quase branco. É um reflexo da personalidade', comenta Willy. A personalidade pela cor? Que coisa doida!
Uma vez obtido, o diamante bruto é polido e talhado na forma desejada pelos familiares do falecido para depois ser usado num anel ou num cordão.
Já pensou poder levar seu ente querido, depois da morte, em um colar ou anel? Se perguntarem sobre o falecido você vai poder dizer: "Ele é uma jóia".
Se roubarem o diamante é que é o problema, você vai ter que gritar: "Roubaram o defunto, pega ladrão"!
O preço desta alma translúcida oscila entre 2.800 e 10.600 euros, segundo o peso da pedra (de 0,25 a um quilate), o que, segundo Willy, vale a pena, já que um enterro completo custa, por exemplo, 12.000 euros na Alemanha.
Está vendo, a moda tem tudo para pegar, é até mais barato transformar o defunto em jóia!
A indústria do 'diamante humano' está em plena expansão, com empresas instaladas na Espanha, Rússia, Ucrânia e Estados Unidos.
A mobilidade da vida moderna é propícia para o setor, explica Willy, que destaca a dificuldade de se deslocar com uma urna funerária ou o melindre provocado por guardar as cinzas de um falecido na própria casa.
Então?
Vais preferir ficar na cova ou vais virar diamante?

Mas sempre podemos lembrar, que embora se diga que um diamante é para sempre, eterna é a alma!

enviado por Pedro
Related Posts with Thumbnails