quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Sobre a humanidade, Jean-Yves Leloup


"Vejo a humanidade em uma situação de apocalipse, entendendo a palavra apocalipse como revelação.

Há algo desmoronando, e há também algo que está  nascendo.

Nós escutamos o barulho do carvalho que cai, mas não escutamos o barulho da floresta que brota.

Ouvimos o ruído das torres desmoronando, mas não escutamos a consciência que desperta.

No mundo de hoje, há muitas coisas que desmoronam, e  em geral falamos das coisas que fazem ruído, mas não falamos das sementes de consciência e de luz que estão germinando..."

Jean-Yves Leloup

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Frescobol ou tênis? Por Rubem Alves



Depois de muito meditar sobre o assunto concluí que, os casamentos (relacionamentos) são de dois tipos: Há os casamentos do tipo tênis e há os casamentos do tipo frescobol.
Os casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Os casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.

Explico-me. Para começar, uma afirmação de Nietzsche, com a qual concordo inteiramente.
Dizia ele: 'Ao pensar sobre a possibilidade do casamento cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria, capaz de conversar com prazer com esta pessoa até sua velhice'? Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar.'


Xerazade sabia disso. Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte, como no filme 'O Império dos Sentidos'. Por isso, quando o sexo já estava morto na cama, e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava uma longa conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites.

O sultão se calava e escutava as suas palavras como se fosse música. A música dos sons ou da palavra - é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer.

Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras. E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: 'Eu te amo...'

Barthes advertia: 'Passada a primeira confissão, 'eu te amo' não quer dizer mais nada'. 'É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética'. Recordo a sabedoria de Adélia Prado: 'Erótica é a alma '.

O tênis é um jogo feroz. O seu objetivo é derrotar o adversário. E a sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola.

Joga-se tênis para fazer o outro errar. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário, e é justamente para onde que ele vai dirigir sua 'cortada', palavra muito sugestiva, que indica o seu objetivo sádico, que é o de cortar, interromper, derrotar.

O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado fora de jogo. Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.

O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca. Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la.

Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado. Aqui ou os dois ganham ou ninguém ganha. E ninguém fica feliz quando o outro erra, pois, o que se deseja é que ninguém erre. E o que errou pede desculpas, e o que provocou o erro se sente culpado.

Mas não tem importância: começa-se de novo este delicioso jogo em que ninguém marca pontos...

A bola: são nossas fantasias, irrealidades, sonhos sob a forma de palavras. Conversar é ficar batendo sonho prá lá, sonho prá cá...

Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis. Ficam à espera do momento certo para a cortada. Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão... O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento. Aqui, quem ganha sempre perde.

Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração.

O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem - cresce o amor...

Ninguém ganha para que os dois ganhem. E se deseja então que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim...

domingo, 21 de agosto de 2011

Sobre o amor




Todo amor tem que começar com o amor por si mesmo. Saiba que você só pode fazer aos outros o que faz por si mesmo. Ao contemplar isso a pessoa descobre que o modo como se relaciona internamente consigo mesma é exatamente a forma como relaciona com os outros.
***
Se um indivíduo se condena e se critica por cada pensamento, palavra ou ação, com certeza fará o mesmo com os outros.  Se a pessoa fica obcecada e perturbada por suas próprias deficiências, ela certamente também  irá causar problemas aos outros a respeito das deficiências que eles apresentarem.

Quando a pessoa pára de se preocupar consigo e se aceita como é, então ela se apaixona por si mesma. Ela faz as pazes em seu interior e portanto a faz com o mundo. Ela descobre que o amor é a essência do universo. É verdadeira natureza de si mesma.

   Pronunciamento de Sri AmmaBhagavan no Dia do Amor, em 15 de agosto de 2010

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Amizade



"A amizade sincera talvez seja um dos fenômenos mais belos desse planeta porque ela possibilita que você compartilhe o seu tesouro espiritual com o outro. Porém, quanto mais vinculado ou mais envolvido afetivamente você se torna, mais facilmente você vai projetar o seu passado no outro e a partir daí surgem desafios mais profundos. O mesmo acontece com os relacionamentos afetivos. Quando você se apaixona por uma pessoa, quando a força erótica é ativada na direção de alguém, o seu passado também é ativado e a projeção acontece naturalmente. A partir daí surgem as dificuldades de sustentar o prazer positivamente orientado. Mas, você tem uma referência que muitas vezes é esquecida que é justamente a referência da amizade. Muitos amantes deixam de ser amigos um do outro e quando isso acontece significa que inevitavelmente eles deixarão de ser amantes. Por isso a amizade é tão importante. Com um amigo muitas vezes você consegue ser altruísta de verdade. Essa é uma questão muito importante a ser compreendida: O quanto você é amigo do seu amante? O quanto que você torce por ele de verdade? O quanto você está querendo que ele seja feliz? O quanto você está dando o seu melhor para ele revelar o seu melhor? O quanto você está trabalhando para que ele seja completamente livre?
(...)
Que você possa reconhecer o valor de uma amizade sincera".

Sri Prem Baba (Trecho de satsang - 11/01/2011), enviado por Francisco Ulisses

domingo, 14 de agosto de 2011

Masculino e feminino é o caminho do coração



É uma lei espiritual: o que ocorre no seu mundo (exterior) é reflexo de seu estado interior. Você pode observá-la aqui, ali, a cada instante manifestando-se como processo permanente de criação e re-criação do que você chamaria “meu mundo, minha vida”.

Esta compreensão é o que inspira a busca por uma fonte a partir da qual o que se cria é harmonia, equilíbrio, criatividade, liberdade, contentamento.

Se, ao contrário, você percebe que está vivendo quase sempre num estado de desconforto nas relações com pessoas (família, amigos, amores) e ambientes (trabalho, grupos sociais...), é hora de dar atenção a esta lei cósmica. O desconforto torna-se mais ou menos administrável, mas está sempre ali. A gente se acostuma, a gente se convence que a vida é assim mesmo... até que um dia a casa cai, relacionamentos se tornam gaiolas de loucos ou desaparecem, o trabalho deixa de ser criatividade para ser fardo.

“Discussões com seu parceiro, incapacidade de estar no espaço do coração ou de sentir amor, um sentimento de desempoderamento no trabalho, de ‘paralisação’ na vida, de não encontrar satisfação interna, e a manifestação de diversos tipos de cenários do tipo vítima/tirano são alguns  indicadores de que os aspectos feminino e masculino não estão equilibrados na pessoa”, afirmam a mestre espiritual sul-africana Leslie Temple-Thurston e Brad Laughlin – seu companheiro e diretor executivo da Corelight, ong dedicada ao crescimento espiritual.

Eles chegam ao Brasil – onde há anos promovem lindas jornadas de  busca interior – para oferecer desta vez um retiro de uma semana com a temática "Equilibrando o masculino e o feminino" (de 27 de agosto a 2 de setembro em Teresópolis - Rio). Imperdível!

Conversei com eles sobre o que de fato significa tal equilíbrio e comparto com vocês, leitores do portal BemZen.

“Existem diversos graus de equilíbrio do masculino e do feminino em nós”, explicam.

E completam: “Em um nível menos refinado, se você estiver desempenhando um papel masculino ou feminino convencional em sua vida isso pode ser um indicador de que seus lados masculino e feminino não estão equilibrados internamente. Tomemos o exemplo de uma mulher que desempenha um papel submisso, passivo e subserviente em relação a um esposo, chefe ou pai dominador, autoritário e agressivo”.  

Bem Zen: Quais as consequências para esta mulher, para sua vida cotidiana ?

- É bem provável que esta mulher que desempenha um papel submisso em relação a um companheiro, chefe ou pai dominador tenha sentimentos de desmerecimento, impotência, fraqueza, inferioridade e desamparo, para nomear apenas algumas poucas emoções. Normalmente ela manifestará relacionamentos (com os homens) marcados por esta dinâmica e transmitirá este padrão egóico para seus filhos. Ela vai sentir que a única forma de obter o que deseja é através da manipulação. Terá dificuldades para sentir-se satisfeita na vida e provavelmente seu trabalho vai lhe parecer sem propósito ou desempoderador. Pode ter sentimentos subjacentes de ressentimento em relação aos homens em sua vida, sentir-se agredida ou vitimizada por eles e ansiar por um caminho “fora disso”. É bem provável que ela não acesse seu coração e não viva no amor tanto quanto gostaria.

Bem Zen: O mesmo se aplica ao homem?

- Sim, só que inversamente. Internamente ele pode observar o masculino e feminino desequilibrados se há necessidade de controlar e dominar as pessoas, especialmente as mulheres, e de ser servido por elas. Pode exibir comportamentos de posse, arrogância e superioridade. Pode também sentir-se não realizado ou insatisfeito com outros aspectos de sua vida, especialmente nos demais relacionamentos. Com a parceira poderá viver um clima de acusação e ressentimento, igualmente não sendo capaz de acessar seu coração e de viver no amor tanto quanto gostaria.

Bem Zen: Um coração aberto é o que se pode esperar do equilíbrio masculino-feminino? E com o coração aberto se chega a um despertar de consciência?


- Quanto mais a pessoa conseguir equilibrar masculino e feminino internamente, mais poderá viver em amor com as pessoas, a vida e o mundo. Quando masculino e feminino estão equilibrados internamente, plena e completamente, é possível viver no amor incondicional continuamente, não importando as circunstâncias.

Um dos principais indicadores ao longo da jornada é não se sentir limitado, obrigado a desempenhar um papel tradicional de homem ou mulher. Por exemplo, um homem pode sentir-se inclinado a ficar em casa e a ajudar a criar um filho, ou a explorar seu lado artístico, ao passo que a mulher pode se sentir atraída pelo mundo do trabalho e por ganhar dinheiro. O homem aprende a acessar seu lado emocional e intuitivo, e a mulher a desenvolver o lado esquerdo, lógico, racional do cérebro e a sentir-se empoderada, internamente e no mundo. 

Um estágio bem inicial é aprender a viver sem julgar quem está explorando papéis masculino e feminino não tradicionais, e talvez até mesmo sentir empatia por essas pessoas.

BemZen: O que acontece durante esta jornada rumo ao equilíbrio?


 - Nos estágios iniciais os relacionamentos estarão mais satisfatórios. Haverá sucesso e satisfação no trabalho. Sua vida estará livre de manipulação, dominação e controle – e de todos os dramas que acompanham o desequilíbrio. Você não mais desempenhará o drama vítima-tirano.
Logo você descobrirá que pode acessar e invocar tanto a força feminina quanto a masculina, sempre que precisar delas. Finalmente, descobrirá que não precisa olhar para fora de si mesmo(a) para encontrar satisfação. Encontrará uma sensação de satisfação, paz e alegria internas. E você viverá na tolerância, respeito, empatia e amor. Na jornada espiritual, você se descobrirá capaz de acessar estados cada vez mais elevados de consciência da unidade e de viver no amor incondicional.

UMA NOTA BEM PESSOAL: exercícios criativos, meditações guiadas, trabalhos de compreeensão dos papéis que jogamos, tudo isso faz dos retiros de Leslie Temple e Brad Laughlin um espaço de verdadeiro crescimento pessoal.  Para mais além destes aspectos, a presença de ambos cria por si mesma um campo energético que provoca intensa profundidade nos mergulhos internos. Há de se beber de suas presenças de luz !

SOBRE LESLIE E BRAD: mais sobre o trabalho de Leslie Temple e Brad Laughlin você pode encontrar no site da Corelight (www.corelight.org/br). Não deixe de aproveitar para conhecer também sobre o trabalho educacional, de apoio aos órfãos da Aids e de preservação de espécies animais que a Corelight realiza na África do Sul através de seu braço humanitário – Seeds of Light (Sementes de Luz - www.seedsoflight.org) .

CONTATOS PARA INFO E INSCRIÇÕES devem ser feitos com:
* www.corelight/br/events
* Claudia Piedade: (11) 9320.0245 e claudia@viapostall.com.br)
* Ramyata: (41) 9104.4073 e a.ramyata@gmail.com)
* Ivana Hosh: (21) 8103.5015 e hermes61@hotmail.com).

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Caminhão de lixo


Vou te contar uma história...
Um dia peguei um taxi e fomos direto para o aeroporto.
Estávamos rodando na faixa certa quando de repente um carro preto
saltou do estacionamento na nossa frente.
O motorista do taxi pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro
por um triz!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para
nós.
O motorista do taxi apenas sorriu e acenou para o cara.
E eu quero dizer que ele o fez bastante amigavelmente.
Assim eu perguntei:
'Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos
manda para o hospital!'
Foi quando o motorista do taxi me ensinou o que eu agora chamo
'A Lei do Caminhão de Lixo".
Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo.
Andam por aí carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de
raiva, e de desapontamentos. A medida que suas pilhas de lixo
crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes
descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente.
Apenas sorria, acene, deseje-lhes bem, e vá em frente. Não pegue o
lixo delas e espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa, ou
nas ruas.
O princípio disso é que pessoas bem sucedidas não deixam os seus
caminhões de lixo estragarem o seu dia. A vida é muito curta para
levantar cedo de manhã com remorso, assim... Ame as pessoas
que te tratam bem. Ore pelas que não o fazem.
A vida é dez por cento o que você faz dela e noventa por cento a
maneira como você a recebe!

enviado por Lu

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Os Trabalhadores da Luz



Jeshua canalizado por Pamela Kribbe

A IDENTIDADE DO TRABALHADOR DA LUZ

Os Trabalhadores da Luz são almas que possuem o forte desejo interior de difundir Luz (conhecimento, liberdade e amor) sobre a Terra. Eles sentem isso como sua missão. São freqüentemente atraídos para a espiritualidade e para algum tipo de trabalho terapêutico. Devido ao seu profundo sentimento de missão, os Trabalhadores da Luz sentem-se diferentes de outras pessoas. Ao experimentarem diferentes tipos de obstáculos em seus caminhos, a vida os estimula a encontrar seu caminho próprio, único. Os Trabalhadores da Luz quase sempre são indivíduos solitários que não se adaptam às estruturas sociais estabelecidas.
Uma observação sobre o conceito de “Trabalhador da Luz”:

A expressão “Trabalhador da Luz” pode provocar mal-entendidos, já que diferencia um grupo particular de almas, do resto. Além disso, pode parecer sugerir que este grupo particular é, de algum modo, superior aos outros, por exemplo, àqueles “não Trabalhadores da Luz”. Toda esta linha de pensamento está em desacordo com a própria natureza e objetivo do trabalho da Luz. Permitam-nos expor brevemente o que há de errado nisso.

Primeiro, pretensões de superioridade geralmente não são iluminadas. Elas bloqueiam seu crescimento em direção a uma consciência livre e amorosa. Segundo, os Trabalhadores da Luz não são “melhores” nem “superiores” a ninguém. Eles simplesmente têm uma história diferente daquela dos que não pertencem a este grupo. Graças a esta história peculiar, que discutiremos mais adiante, eles têm certas características psicológicas que os distinguem como um grupo. Terceiro, toda alma chega a ser um Trabalhador da Luz em determinada etapa do seu desenvolvimento. Portanto, a qualificação “Trabalhador da Luz” não está reservada para um número limitado de almas. A razão pela qual utilizamos o termo “Trabalhador da Luz” – apesar dos possíveis mal-entendidos – é porque ela traz associações e agita memórias dentro de vocês que os ajuda a recordar. Também há uma conveniência prática, já que este termo é freqüentemente usado em sua literatura espiritual corrente.

RAÍZES HISTÓRICAS DOS TRABALHADORES DA LUZ

Os Trabalhadores da Luz trazem consigo a habilidade de alcançar o despertar espiritual mais rapidamente que outras pessoas. Eles carregam sementes internas para um rápido despertar espiritual. Por causa disso, parecem estar numa via mais rápida que a maioria das pessoas, se assim escolhem. Mais uma vez, isto não acontece porque os Trabalhadores da Luz sejam de algum modo almas “melhores” ou “superiores”. No entanto, eles são mais velhos que a maioria das almas encarnadas na Terra atualmente. Esta idade “mais velha” deve ser entendida, de preferência, em termos de “experiência”, mais que de “tempo”.
Os Trabalhadores da Luz alcançaram um estágio particular de iluminação, antes de encarnarem na Terra e começarem sua missão. Eles escolheram conscientemente envolver-se na “roda cármica da vida” e experimentar todas as formas de confusão e ilusão que fazem parte dela. Fizeram isto para compreender completamente “a experiência da Terra”. Isto lhes permitirá cumprir sua missão. Só passando, eles mesmos, por todos os estágios de ignorância e ilusão, é que eles possuirão finalmente as ferramentas para ajudar os outros a alcançar um estado de verdadeira felicidade e iluminação.

Por que os Trabalhadores da Luz perseguem esta missão sincera de ajudar a humanidade, mesmo correndo o risco de se perderem, durante eras, na densidade e confusão da vida terrestre? Esta é uma questão da qual nos ocuparemos extensivamente mais adiante. Agora, diremos apenas que isto tem de ver com um tipo de carma galáctico.

Os Trabalhadores da Luz presenciaram a véspera do nascimento da humanidade na Terra. Eles fizeram parte da criação do homem. Foram co-criadores da humanidade. Durante o processo de criação, eles fizeram escolhas e agiram de formas que mais tarde vieram a lhes causar um profundo arrependimento. Eles estão aqui agora para reparar suas decisões de então.

Antes de entrarmos nesta história, citaremos algumas características das almas Trabalhadoras da Luz, que geralmente as distinguem de outras pessoas. Estes traços psicológicos não pertencem exclusivamente aos Trabalhadores da Luz e nem todos os Trabalhadores da Luz os reconhecerão como seus. Ao apresentarmos esta lista, simplesmente queremos dar um esboço da identidade psicológica dos Trabalhadores da Luz. Quanto às características, o comportamento exterior é menos importante do que as motivações internas ou intenções sentidas. O que vocês sentem por dentro é mais importante do que o que mostram externamente.

CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS DOS TRABALHADORES DA LUZ
1.
Desde cedo em suas vidas, eles sentem que são diferentes. Quase sempre, sentem-se isolados dos outros, solitários e incompreendidos. Freqüentemente tornam-se individualistas e têm que encontrar seus próprios caminhos na vida
2.
Eles têm dificuldade para se sentir à vontade em empregos tradicionais e/ou em estruturas burocratas. Os Trabalhadores da Luz são naturalmente antiautoritários, o que significa que resistem naturalmente às decisões ou valores baseados somente em poder ou hierarquia. Este traço de antiautoritarismo está presente mesmo entre os que parecem tímidos e envergonhados. Ele está relacionado com a própria essência da missão deles aqui na Terra.
3.
Os Trabalhadores da Luz sentem-se atraídos para ajudar as pessoas, como terapeutas ou como professores. Podem ser psicólogos, curadores, professores, enfermeiros, médicos, etc. Mesmo que a sua profissão não esteja diretamente relacionada com ajudar pessoas, sua intenção de contribuir para o bem-estar da humanidade está claramente presente.
4.
Sua visão da vida é colorida por um sentido espiritual de como todas as coisas estão relacionadas umas com as outras. Consciente ou inconscientemente, eles levam dentro de si memórias de esferas de luz não terrestres. Podem – ocasionalmente – sentir saudades dessas esferas de luz e sentir-se como um estranho na Terra.
5.
Honram e respeitam profundamente a vida, o que freqüentemente se manifesta como afeição pelos animais e preocupação com o meio ambiente. A destruição de partes do reino animal ou vegetal na Terra pela ação do homem evoca neles profundos sentimentos de perda e aflição.
6.
São bondosos, sensíveis e empáticos. Podem sentir-se incômodos ao se defrontarem com um comportamento agressivo e geralmente têm dificuldade para se defender. Podem ser sonhadores, ingênuos ou profundamente idealistas, assim como insuficientemente “enraizados”, isto é, não ter os pés na terra. Como eles têm facilidade para captar sentimentos e humores (negativos) das pessoas que os rodeiam, é importante que possam, regularmente, passar algum tempo a sós. Isto lhes permite distinguir entre seus próprios sentimentos e os das outras pessoas. Necessitam de momentos de solidão para recuperar a própria base e estar em contato com a mãe Terra.
7.
Eles viveram muitas vidas na Terra, nas quais estiveram profundamente envolvidos com a espiritualidade e/ou religião. Estiveram presentes, em grande número, nas velhas ordens religiosas do seu passado, como monges, monjas, ermitães, psíquicos, bruxas, xamãs, sacerdotes, sacerdotisas, etc. Foram os que construíram uma ponte entre o visível e o invisível, entre o contexto diário da vida terrestre e os reinos misteriosos de pós-vida, de Deus e dos espíritos do bem e do mal. Por desempenharem este papel, muitas vezes eles foram renegados e perseguidos. Muitos de vocês foram sentenciados à fogueira devido aos dons que possuíam. Os traumas das perseguições deixaram profundas marcas na memória de suas almas. Isso pode manifestar-se atualmente como medo de estar completamente enraizado, isto é, medo de estar realmente presente, porque vocês se lembram de terem sido brutalmente atacados por serem quem eram.

PERDER-SE: O PERIGO PARA O TRABALHADOR DA LUZ

Os Trabalhadores da Luz podem estar presos nos mesmos estados de ignorância e ilusão que qualquer outra pessoa. Embora comecem de um ponto de partida diferente, a capacidade deles para romper o medo e a ilusão, com o propósito de alcançar a iluminação, pode ser bloqueada por muitos fatores. (Por iluminação, queremos dizer o estado no qual vocês compreendem que são essencialmente da Luz, capazes de escolher a luz em qualquer momento).

Um dos fatores que bloqueiam o caminho da iluminação para os Trabalhadores da Luz é o fato de terem uma pesada carga cármica, que pode levá-los a se extraviarem por bastante tempo. Como afirmamos anteriormente, esta carga cármica está relacionada com decisões que eles tomaram com relação à humanidade em suas etapas iniciais. Foram decisões essencialmente desrespeitosas para com a vida. Todos os Trabalhadores da Luz que vivem agora desejam corrigir alguns de seus erros passados e recuperar e cuidar do que foi destruído por causa disso.

Quando os Trabalhadores da Luz completarem seu caminho através da carga cármica, isto é, quando liberarem todo tipo de necessidade de poder, compreenderão que são essencialmente seres de luz. Isso lhes permitirá ajudar outras pessoas a achar seu próprio ser verdadeiro. Mas primeiro eles mesmos têm que passar por esse processo, o que geralmente exige grande determinação e perseverança no nível interno. Devido aos valores e julgamentos neles incutidos pela sociedade, os quais freqüentemente vão contra seus próprios impulsos naturais, muitos Trabalhadores da Luz se perderam, terminando em estados de desconfiança de si mesmos, auto-negação e, inclusive, depressão e desesperança. Isto porque eles não conseguem se adaptar à ordem estabelecida e concluem que deve haver algo de terrivelmente errado com eles.

O que os Trabalhadores da Luz têm que fazer, neste ponto, é deixar de procurar validação externa, através de pais, amigos ou da sociedade. Em algum momento, você (que está lendo isto) terá que dar o salto para a verdadeira autorização, o que significa realmente acreditar em si mesmo e verdadeiramente honrar suas inclinações naturais e seu conhecimento interior, agindo de acordo com eles. Nós o convidamos a fazer isso e lhe asseguramos que estaremos com você em cada passo do caminho – exatamente como você, num futuro não distante, estará aí para ajudar outros em seu caminho.

© Pamela Kribbe     
Tradução para o português: Vera Corrêa, enviado por Francisco Ulisses
Related Posts with Thumbnails