domingo, 29 de abril de 2012

BUDHA

BUDHA (sânscrito-devanagari: बुद्ध, transliterado Buddha, que significa Desperto, Iluminado, do radical Budh-, "despertar") é um título dado na filosofia budista àqueles que despertaram plenamente para a verdadeira natureza dos fenômenos e se puseram a divulgar tal redescoberta aos demais seres. "A verdadeira natureza dos fenômenos", aqui, quer dizer o entendimento de que todos os fenômenos sãoimpermanentes, insatisfatórios e impessoais. Tornando-se consciente dessas características da realidade, seria possível viver de maneira plena, livre dos condicionamentos mentais que causam a insatisfação, o descontentamento, o sofrimento (todos gerados pelo apego aos fenômenos e sensações materiais).

Do ponto de vista da doutrina budista clássica, a palavra "Budha" denota não apenas um mestre religioso que viveu em uma época em particular, mas toda uma categoria de seres iluminados que alcançaram tal realização espiritual (como os mestres ascencionados da Fraternidade Branca). Pode-se fazer uma analogia com a designação "Presidente da República" que refere-se não apenas a um homem, mas a todos aqueles que sucessivamente ocuparam o cargo. As escrituras budistas tradicionais mencionam pelo menos 24 Budas que surgiram no passado, em épocas diferentes.

O budismo reconhece três tipos de Buda, dentre os quais o termo Buda é normalmente reservado para o primeiro tipo, o Samyaksam-buddha (Pali: Samma-Sambuddha). A realização do Nirvana é exatamente a mesma, mas um Samyaksam-buddha expressa mais qualidades e capacidades que os outros dois tipos.

Atualmente, as referências ao Buda referem-se em geral a Siddhartha Gautama, mestre religioso e fundador do Budismo no século VI antes de Cristo. Ele seria, portanto, o último Budha de uma linhagem de antecessores cuja história perdeu-se no tempo. Conta a história que ele atingiu a iluminação durante uma meditação sob a árvore Bodhi, quando seu nome foi mudado para Budha, que quer dizer "O iluminado".
Existe uma passagem nas escrituras [Anguttara Nikaya (II, 37)] - a qual é freqüentemente interpretada de maneira superficial - na qual o Budha nega ser alguma forma de ser sobrenatural, mas esclarece:

"Brâhmane, assim como uma flor de lótus azul, vermelha ou branca nasce nas águas, cresce e mantém-se sobre as águas intocada por elas; eu também, que nasci no mundo e nele cresci, transcendi o mundo e vivo intocado por este. Lembre-se de mim como aquele que é desperto."

Com isso ele rejeitava qualquer possibilidade de ser tomado como um Deus, mas reafirmava a característica transcendente da sua vivência espiritual e do caminho de libertação que oferecia para os demais seres. Nesse sentido, o Buda exerceu um papel importante de democratização da religião na Índia que, até então, estava sujeita ao arbítrio da casta dos brâmanes.


Para Siddhartha Gautama  não há intermediários entre a humanidade e o divino, entre o homem/mulher e Deus; deuses distantes também estão sujeitos ao karma em seus paraísos impermanentes. O Buda é apenas um exemplo, guia e mestre para os seres sencientes que devem trilhar o caminho por si próprios. Dentre as religiões mundiais, a maioria das quais proclama a existência de um Deus criador, o budismo é considerado incomum por ser uma religião não-teísta. Para o Budha, a chave para a libertação é a pureza mental e a compreensão (sabedoria desenvolvida pelo conhecimento) correta, e por esse motivo ele rejeitou a noção de que se conquista a salvação implorando para uma deidade distante e externa ao ser humano.

De acordo com o Budha Siddhartha Gautama, a felicidade Desperta do Nirvana que ele atingiu está ao alcance de todos os seres, porém na visão ortodoxa é necessário ter nascido como um ser humano. No Tipitaka - as escrituras budistas mais antigas - fala-se dos numerosos Budas do passado e suas vidas, bem como sobre o próximoo Bodhissatva que é chamado de MAITREYA. (Bodhissatva é um termo do budismo que designa seres de sabedoria elevada, que seguem uma prática espiritual que visa a remover obstáculos e beneficiar todos os demais seres. A expressão significa, em tradução literal do sânscrito, "ser (sattva) de sabedoria (bodhi)". Os bodisatvas são chamados de mahaiana (mahayana, "grande veículo").

Em homenagem ao Buda:

A tradição atribui ao próprio Budha a instrução sobre a forma de lhe prestarem homenagem. Pouco antes de morrer, ele viu seu fiel assistente Ananda, chorando. O Buda o aconselhou a não chorar, mas para compreender a lei universal de que todas as coisas condicionadas (incluindo até mesmo seu próprio corpo) devem desintegrar-se, pois são transitórias. Ele aconselhou a todos para não chorarem sobre a desintegração do corpo físico, mas a considerar os seus ensinamentos, como seu professor a partir de então, porque só a verdade do Dhammapada é eterna e não estão sujeitos à lei da mudança. A data normalmente é comemorada na Lua Cheia de Touro, no mês de Maio. Ele também enfatizou que a forma de prestar homenagem a ele não seria apenas através da oferta de flores, incenso, e luzes das velas, mas por verdadeira e sinceramente se esforçando para seguir seus ensinamentos. Assim é como se espera que os budistas celebrem o Vesak, Vesākha (WESAK): usar a oportunidade para reiterar sua determinação de levar uma vida nobre, para desenvolver sua mente, para a prática da bondade amorosa e trazer paz e harmonia à humanidade.

No dia do Vesākha (WESAK), seguidores e budistas devotos são igualmente esperados e solicitados para frequentarem seus vários templos antes do amanhecer para o cerimonial em honra ao mestre, para içamento da bandeira budista e o canto de hinos em louvor da sagrada jóia tríplice: o Buddha, o Dharma (a Lei, os seus ensinamentos), e a Sangha (os seus discípulos). Os devotos podem trazer oferendas simples de flores, velas e incenso de varetas para colocar aos pés de seu instrutor. Estas ofertas são simbólicas para lembrar aos seus seguidores que, assim como as flores que murcham depois de um tempo curto e as velas e incenso de varetas logo se queimam, assim também é a vida material sujeita à decadência, envelhecimento e destruição. 

Os devotos são intimados a fazer um esforço especial para se abster de matarem seres vivos de qualquer tipo. Em alguns países, nomeadamente no Sri Lanka , dois dias são reservados para a celebração do Vesākha (WESAK) e todas as lojas de bebidas e casas de abate são fechadas por decreto do governo durante os dois dias do feriado.  Também pássaros, insetos e animais são liberados aos milhares no que é conhecido como um "ato simbólico de liberação", de dar liberdade para aqueles que estão em cativeiro, presos, torturados ou detidos contra sua vontade. Alguns budistas devotos vão usar um vestido branco simples e passar o dia inteiro em templos com renovada determinação para observar os oito preceitos.

Alguns templos também exibem uma pequena imagem do Buda bebê em frente ao altar em uma pequena bacia cheia de água e decorada com flores, permitindo que os devotos derramem água sobre a estátua, é um simbolismo da limpeza de um carma ruim dos praticantes, e para reviver os acontecimentos após o nascimento do Buda, quando devas e espíritos celestes fizeram oferendas a ele. Os devotos são esperados para ouvirem palestras proferidas por monges. Neste dia os monges recitam versos proferidos pelo Buda vinte e cinco séculos atrás, para invocar a paz e a felicidade para o Governo e todas as pessoas. Os budistas são relembrados para viverem em harmonia com pessoas de outras religiões e respeitar as crenças religiosas dessas pessoas como o próprio Buda ensinou.


enviado por Vera

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails