quinta-feira, 29 de março de 2012

SIMPLES AÇÕES PODEM SER VALIOSAS ORAÇÕES




O contato da água no corpo provoca um estímulo magnético que percorre
todo o organismo, deixando-o calmo, e preparando-o para o sono
reparador ou às lutas de cada dia.


O banho diário, quando encontra na mente apoio, torna-se um mometo sagrado.


Além das virtudes curativas da água, enxertar-se-ão fluidos
magnéticos, de acordo com a irradiação da alma.


A disciplina dos pensamentos é uma fonte de bem-estar, na hora da
higiene do corpo.


No instante do banho é preciso que se entenda a necessidade da
alegria, que nosso pensamento sustente o amor, até um sentimento de
gratidão à água que nos serve de higiene.


Visualize, além da água que cai em profusão, como fluidos espirituais
banhando todo o seu ser retirando todo cansaço.


O impulso dessa energia destampa em nosso íntimo a lembrança da fé, da
esperança, da solidariedade, do contentamento e do trabalho.


Por este motivo, banho e oração conjugados, são formas  divinas ao
alcance de nossas mãos.


O chuveiro seria como um agente da água e, esta, o fluido que vivifica o corpo.


Poder-se-á vincular o banho ao louvor e gratidão, e ele poderá ser uma
transfusão de energias eletromagnéticas, dependendo do modo pelo qual
nós pensamos enquanto nos banhamos.


Uma mente ordenada na alta disciplina e pela concentração, em
segundos, selecionará, em seu derredor grande quantidade de magnetismo
espiritual, e os adicionará, pela vontade, na água que lhe serve de
veículo de limpeza física, passando a ser útil na higiene psíquica
também.


Observe que, ao tomar banho, sentimo-nos comovidos, a ponto até de nos
tornarmos cantores.


E a alegria advinda da esperança, nos chega da água, que é portadora
dos fluidos espirituais, que lhes são ajustados por bênção do amor.


O lar é o nosso ninho acolhedor e nele existem oportunidades de grande
elevação, cuja dedicação e carinho com a família nos mostrará como
Deus é bom.


Essa assistência atinge, igualmente, as coisas materiais, desde a
arborização, até o preparo das águas que nos servem.


Quantas doenças surgem e desaparecem sem que a própria família se
conscientize disso?


É a misericórdia do Senhor pelos emissários de Jesus, nossos anjos
operando na dimensão oculta para os homens, e encarregados de assistir
ao lar.


Eles colocam fluidos apropriados nas águas para o banho, e nas que bebemos.


E, quando eles encontram disposições mentais favoráveis, alegram-se
pela grande eficiência do trabalho.


Na hora das refeições, é sagrado e conveniente que as conversas sejam
agradáveis e positivas, momentos de gratidão e de alegria.


No momento do banho, é preciso que ajudemos, com pensamentos nobres e
orações, para que tenhamos mãos mais eficientes operando em nosso
favor.


Se quisermos quantidade maior de oxigênio nitrogenado, basta pensarmos
firmemente que estamos recebendo esses elementos, e a natureza nos
dará isto, com abundância.


É o "pedi e obtereis" de Cristo. A alegria tem também bases físicas.


Um corpo sadio nos proporcionará facilidades para expressar o amor.


Quando tomar o seu café pela manhã, tome convicto de que está
absorvendo, juntamente com os ingredientes materiais, a porção de
fluidos curativos, de modo a desembaraçar todo o miasma pesado que
impede o fluxo da força vital em seu corpo.


E sairá da mesa disposto para o trabalho, como também para a vida.


Despeça-se de sua família com carinho e atenção, e deixe que vejam o
brilho otimista nos seus olhos, de maneira a alegrar a todos que o
amam; assim, eles lhe transmitirão as emoções que você mesmo despertou
neles e isso lhe fará muito bem.


Lembre-se de que um copo de água que tome, onde quer que seja, pode
ser tomado e sentido como um banho e lavagem internos. Um bálsamo da
natureza.


Não se esqueça de bebê-lo com alegria e amor, lembrando com gratidão
de Quem lhe deu essa água tão necessária pois, se ela vem rica de
bençãos espirituais, aumentará sua disposição e conexão com o Criador.


É muito bom estar consciente a cada coisa que nos acontece e estar
agradecido, se sentindo abençoado e cheio de amor.


A consciência, a gratidão e o amor são caminhos paralelos, e que a
felicidade percorra com alegria cada momento vivido.

domingo, 25 de março de 2012

A Meditação Fortalece o Cérebro


 
Pesquisadores americanos descobriram mais evidências de que meditar fortalece o cérebro. Estudos anteriores feitos pela Universidade da Califórnia (UCLA), nos Estados Unidos, já haviam sugerido que meditar durante anos torna o cérebro mais espesso e fortalece conexões entre células cerebrais.

As novas pesquisas feitas pela mesma equipe californiana revelaram ainda mais benefícios associados à prática. Os resultados foram publicados pela revista Frontiers in Human Neuroscience em 29 de Fevereiro de 2012.

A cientista Eileen Luders e seus colegas do Laboratory of Neuro Imaging da UCLA dizem ter encontrado indícios de que pessoas que meditam durante muitos anos têm quantidades maiores de dobras no córtex cerebral do que pessoas que não meditam. Isso poderia acelerar o processamento de informações.

A equipe também encontrou uma relação direta entre a quantidade de dobras e o número de anos durante os quais a pessoa meditou. Isso pode talvez ser mais umaprova da neuroplasticidade do cérebro - a habilidade do órgão de se alterar, ou se adaptar, em resposta a estímulos externos.

Córtex

O córtex é a camada externa do cérebro e tem papel fundamental na memória, atenção, pensamento e consciência. Os dobramentos corticais são o processo pelo qual a superfície do cérebro se altera para criar sulcos e dobras. Sua formação pode promover e melhorar os processos nervosos.

Presume-se, portanto, que quanto mais dobras se formam, maior a capacidade do cérebro de processar informações, tomar decisões e formar memórias. "Em vez de simplesmente comparar pessoas que meditam com as que não meditam, queríamos ver se havia uma relação entre a quantidade de prática da meditação e o grau de alteração do cérebro", disse Luders. "Quer dizer, associar o número de anos de meditação com a incidência das dobras".

Testes

Os pesquisadores fizeram exames de ressonância magnética em 50 praticantes de meditação - 28 homens e 22 mulheres. Esse grupo foi comparado a outro, de não praticantes, com idade e sexo equivalentes. Os praticantes haviam meditado em média 20 anos. Os tipos de meditação eram variados, entre eles a meditação Vipassana.

A equipe disse ter encontrado grandes diferenças na incidência das dobras em participantes que praticavam meditação. Para os pesquisadores, a revelação mais interessante foi a correlação positiva entre o número de anos de meditação e a quantidade de dobras, especialmente em uma estrutura do cérebro conhecida como ínsula.

Emoção e Cognição

Sabe-se que a ínsula está associada às emoções humanas. E que lesões nessa estrutura podem resultar em apatia, perda de libido e alterações na memória.

"Talvez (a descoberta) mais interessante tenha sido arelação positiva entre o número de anos de meditação e a quantidade de dobramentos insulares".

Embora ainda falta determinar as exatas implicações funcionais dos maiores dobramentos corticais, estas descobertas sugerem que a insula é uma estrutura chave no processo de meditação. Por exemplo, as variações na complexidade da ínsula podem influenciar o controle das bem conhecidas distrações no processo de meditação como por exemplo sonhar acordado, distrações e projetar-se ao passado ou ao futuro.

Além disso, dado que os meditadores são conhecidos como mestres em introspecção, atenção e controle emocional, a maior incidência das dobras na ínsula refletem a integração dos processos autonomicos, emocionais e cognitivos.

Luders adverte que fatores genéticos e ambientais podem ter contribuído para os efeitos observados. Ainda assim, "a relação positiva entre as dobras e o número de anos de prática dá suporte à ideia de que a meditação aumenta a incidência das dobras".
 
 
Referência:
enviado por Leise

sexta-feira, 23 de março de 2012

Previsão Astrológica: março, abril e maio de 2012


 
“Somos prisioneiros no carrossel do tempo...”

Os meses de março, abril e maio serão mais ou menos como um carrossel do tempo acelerando a cada dia! Se vocês se lembram da experiência de andar num carrossel, quanto mais rápido o carrossel gira mais desafiador (e emocionante para algumas pessoas) se segurar. Além da força centrífuga nos lançando para fora do centro, também podemos imaginar os cavalinhos, subindo e descendo, subindo e descendo... divertido para crianças, talvez, mas não tão divertido assim quando o assunto for sua conta no banco, seu relacionamento e amizades e suas aspirações para o futuro. E o que é este “algo” que está criando, mantendo e aumentando a velocidade, porque, e quais serão os resultados?

A Astrologia vê esse “algo” como sendo a Inteligência Coletiva Universal (ICU), nada mais nada menos que Deus, o Criador, ou algum outro de seus milhares de nomes. Esta ICU está constantemente evol uindo e expandindo está dentro de cada um de nós. Conforme nos expandimos, crescemos e nos tornamos mais conscientes, nos tornamos como raios individuais de sol alcançando mais e mais longe dentro da infinita escuridão do espaço. Ao evoluirmos a ICU evolui, já que a ICU está evoluindo através de nós. E, assim como o universo físico está expandindo como um grande balão de ar quente, o mesmo acontece com nossa consciência; e rodas giram mais rápido conforme ficam maiores.

A astrologia também diz que a ICU é refletida na configuração estelar e planetária atual (assim como nossas próprias almas). Ela usa as várias constelações e padrões planetários como um guia para seus ciclos, dentro das quais este crescimento e evolução acontecem. Sendo assim, podemos ver que os meses de março, abril e maio vão dar continuidade e também aumentar a velocidade das mudanças evolucionárias para todos nós. O p ropósito principal por trás deste processo de aceleração assemelha-se muito ao exemplo do carrossel. Estamos liberando todos os escombros, o passado: as fraquezas e medos que estiveram nos segurando para trás durante vidas. Simplesmente não podemos mais segurar estas crenças velhas, relacionamentos e amizades, falsas fontes de segurança, mentiras e bobagens das quais nos convencemos. A velocidade e intensidade das mudanças pedem reações cada vez rápidas às novas exigências da vida. É tempo de se concentrar e apertar o passo... Não existe mais voltar ao passado, esperar que as coisas desacelerem de volta ao “normal” ou, pior ainda, tentar por o pé no chão e parar o giro do carrossel = ai, ai, ai!

O que a astrologia diz é que tudo isso em realidade é BOM para nós e vai auxiliar a nós, aos outros e ao planeta como um todo a sobreviver, florescer e prosperar nas décadas que virão. É como podar uma árvore, limpar a garagem, e perder uns q uilos extras: melhora as possibilidades para o futuro. Esta grande faxina é o momento de limpar nossa vida psíquica e emocional, nossas relações e nossa vida física e financeira também. A pressão vai nos apertar e esvaziar como a uma esponja que saiu do mar (salgado) e depois todos seremos mergulhados em águas doces, limpas e frescas de nascente para nos encharcarmos.

Sejamos, então, mais específicos. Ao longo destes meses (culminando em 22/23 de março e depois mais uma vez em 1/2 de maio) teremos que encarar alguns de nossos medos e características mais sombrias. Isto tudo para que possamos nos livrar o suficiente do nosso orgulho, vileza e “esperteza”, nos abrindo, assim, para ouvir uma sabedoria maior, uma verdade maior, uma realidade maior do que a pequena caixinha que nós, falsamente, achamos que daríamos conta de compreender nesta vida. Este é um período planejado pela ICU para nos fazer mais humildes, nos auxiliando, assim, a nos torna rmos conscientes de forças ainda maiores que trabalham tanto dentro do mundo como em lugares muito profundos em nós mesmos.

No começo de março novas e radicais informações/revelações que serão “soltas” para nós abrirão nossos olhos para muitas coisas que estiveram escondidas por eras de tempo no campo político, econômico e interno pessoal. É um momento de grande revelação, quando “choque e temor” levantarão os véus de nosso sono e nos despertarão não somente para a necessidade de AGIR, mas também para novas capacidades latentes dentro de nós que aumentarão nosso poder pessoal para mudar nossas vidas para melhor. Aqueles que não aproveitarem as oportunidades ou preferirem se esconder ficarão para trás, comendo poeira...

Em abril Plutão vai estacionar e retrogradar mais ou menos na mesma época em que Marte vira e segue direto (dias 10 e 13, respectivamente). Será uma época para destruir e remover aquilo (ou aqueles) que nos segurou para trás, ou para baixo, por tanto tempo. As muralhas de Jericó vão cair em forma de líderes, figuras decorativas e oficiais, instituições e indivíduos resistentes ao novo mundo. Já temos visto algumas sacolejadas de bancos e governos e isto vai continuar a acontecer. A economia global será espremida como uma esponja (diferente do que tem nos sido dito), enviando a classe média rapidamente para cima ou para baixo, por que esta é uma época de extremos, planejada pela ICU para nos despertar para os resultados de nossas ações passadas, tenham elas sido conscientes ou inconscientes.

A agitação continua em maio com o eclipse solar no dia 20 bem na cúspide de Touro/Gêmeos. Em meio a todo o caos, confusão e loucura ocorrendo ao longo desses meses as oportunidades a serem aproveitadas serão inúmeras. Também é uma época quando bravos novos heróis e heroínas surgem do anonimato mostrando novos caminhos rumo à liberdade. A grand e tríade Marte, Júpiter e Plutão – que estará presente na maior parte desses 3 meses – reflete a possibilidade de efetivar novas fontes de renda, segurança e poder pessoal. A quebra do velho está abrindo passagem para novos, originais e criativos impulsos de crescimento e amadurecimento, não somente na revolução sociocultural que já está sobre nós, mas também internamente em nossos próprios corações, almas e mentes.

O ponto principal desta mudança é o reequilíbrio entre as polaridades masculino/feminino. Isto acarretará numa reestruturação de nossos valores tanto pessoal como coletivamente. O feminino foi reprimido e dominado pelo masculino por tempo demais. É chegada a hora de valorizar SER tanto quanto FAZER, ALIVIAR tanto quanto PRESSIONAR, OUVIR tanto quanto CONVENCER, SENTIR tanto quanto PENSAR/AGIR, e UNIR tanto quanto SEPARAR. Nós conseguiremos ver as falhas nas velhas estruturas baseadas em formas pensamento obsoletas que exclu em ao invés de incluir, dominam ao invés de apoiar e julgam ao invés de amar. É a hora de nos esclarecermos a respeito de quem realmente somos e que tipo de mundo queremos criar.

Encorajo a todos a não serem enganados pela mídia que nos ilude a fazermos mudanças superficiais, mas a fazerem mudanças estruturais nas bases de seus estilos de vida. Quanto mais nossa maneira de vida for simples, natural e responsável, mais poderemos sobreviver e prosperar. O encontro de indivíduos em grupos de almas afins servirá para fortalecer nossas resoluções individuais e aliviar nossos músculos talvez doloridos por nosso empenho solitário de tentar criar esta mudança global.

Para terminar, não nos esqueçamos de que quanto mais perto do centro do carrossel você vai, menos a pressão, velocidade e força tendem a te tirar o equilíbrio. Este também é o momento de nos centrarmos em nosso potencial espiritual criativo e jogar fora crenças centrais l imitantes tais como crermos que precisamos disso ou daquilo, ou que fulano ou beltrano tem que nos prover com aquilo de que sentimos falta. Conforme assumirmos mais e mais responsabilidade por nossos sentimentos de alegria, tristeza, raiva ou sofrimento, nos tornaremos menos dependentes dos outros (parceiros, amigos, chefes, governos, instituições religiosas e corporações globais) para nos satisfazerem e falsamente nos fazerem felizes. Que vocês possam sempre conquistar cada centímetro de seus caminhos para o centro do carrossel, o núcleo de seus seres, e fonte de toda criação, não só nesses 3 meses, mas ao longo de todo o ano de 2012.

Tom Lescher

enviado por Ceiça Amorim

quarta-feira, 21 de março de 2012

Apenas Observando

 
Por Frei Beto

Ao viajar pelo Oriente, mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão.

Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir: "Qual dos dois modelos produz felicidade?”.

Estamos construindo super-homens e super mulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados. Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: "Como estava o defunto?". "Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!"

A publicidade não consegue vender felicidade, então passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: "Se tomar este refrigerante, vestir este tênis, usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!" O grande desafio é começar a ver o quanto é bom ser livre de todo o condicionamento.

Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, constrói-se um Shopping Center. É curioso: a maioria dos Shoppings-Centers têm linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingo. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas...

Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas.

Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Quem deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno... Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer do Mc Donald...

Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas: "Estou apenas fazendo um passeio socrático". Diante de seus olhares espantados, explico: "Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia: “Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz!”

segunda-feira, 19 de março de 2012

Os Trinta e Três Nomes de Deus, por Rubem Alves

 

“De vez em quando perguntam-me se acredito em Deus.
Mas é claro.
Acredito mais que a maioria das pessoas.
Tenho até trinta e três nomes para ele.
Esses nomes foi a Margueritte Yourcenar que me contou.
Ela foi uma escritora maravilhosa, autora do livro Memórias de Adriano, 
quem lê nunca mais esquece, quer ler de novo.
Pois esses são os trinta e três nomes de Deus que ela me ensinou.
É só falar o nome,
ver na imaginação o que o nome diz,
para que a alma se encha de uma alegria que só pode ser um pedaço de Deus… 
Mas é preciso ler bem devagarinho… 

  1. Mar da manhã.
  2. Barulho da fonte nos rochedos sobre as paredes de pedra.
  3. Vento do mar de noite, numa ilha… 
  4. Abelha.
  5. Vôo triangular dos cisnes.
  6. Cordeirinho recém-nascido….
  7. Mugido doce da vaca, mugido selvagem do touro.
  8. Mugido paciente do boi. 
  9. Fogo vermelho no fogão.
  10. Capim. 
  11. Perfume do capim.
  12. Passarinho no céu. 
  13. Terra boa…
  14. Garça que esperou toda noite meio gelada e que vai matar a fome no nascer do sol. 
  15. Peixinho que agoniza no papo da garça.
  16. Mão que entra em contato com as coisas.
  17. A pele, toda a superfície do corpo. 
  18. O olhar e tudo o que ele olha. 
  19. As nove portas da percepção. 
  20. O torso humano.
  21. O som de uma viola e de uma flauta indígena. 
  22. Um gole de uma bebida fria ou quente. 
  23. Pão.
  24. As flores que saem da terra na primavera. 
  25. Sono na cama.
  26. Um cego que canta e uma criança enferma. 
  27. Cavalo correndo livre. 
  28. A cadela e os cãezinhos. 
  29. Sol nascente sobre um lago gelado.
  30. O relâmpago silencioso.
  31. O trovão que estronda.
  32. O silêncio entre dois amigos.
  33. A voz que vem do leste, entra pela orelha direita e ensina uma canção…”

Agradeço ao Carlos Brandão 
por haver me apresentado os trinta e três nomes de Deus da Margueritte. 
Não é preciso que sejam os seus. 
Faça a sua própria lista.
Eu incluiria:

  • Ouvir a sonata Apassionata de Beethoven.
  • Sapos coaxando no charco. 
  • O canto do sabiá. 
  • Banho de cachoeira. 
  • A tela “Mulher lendo uma carta”, de Vermeer.
  • O sorriso de uma criança. 
  • O sorriso de um velho.
  • Balançar num balanço tocando com o pé as folhas da árvore…
  • Morder uma jabuticaba… 

Todas essas coisas são os pedaços de Deus que conheço… 
Sim, acredito muito em Deus”.

enviado por Lucy

domingo, 18 de março de 2012

A SUAVE ARTE DA BÊNÇÃO, por Sasha T. Moore

 


Cada pensamento que temos e cada ação que empreendemos, torna-se parte da energia coletiva do planeta.

Quando usamos a nossa energia para levar luz ao mundo, ela se associa à luz trazida por outros para dispersar a escuridão.

Abençoar significa desejar incondicionalmente e da mais profunda câmara do seu coração, um bem ilimitado para outros.

Abençoar é reconhecer a beleza onipresente e universal, oculta dos olhos materiais. É ativar a lei da atração, que à distância, alcança o universo.

Ao fazer da Suave Arte da Bênção a sua prática espiritual diária, você aprende a enviar pensamentos e sentimentos e a curar outros. Isto o capacitará a difundir uma atmosfera de bondade, paz e cura onde quer que você vá. A atrair mais bondade, alegria e amor para a sua própria vida e para as vidas daqueles que estão a sua volta. A abrir possibilidades de cura nos corações daqueles controlados pela ganância, pelo egoísmo e pelo medo. A experienciar um maior sentimento de Unidade com toda a vida. A enaltecer a vida e o crescimento de todos os reinos da natureza – humano, animal, plantas e mineral.

Abençoar é o meio perfeito de desenvolver uma consciência constantemente centrada no amor.

Cada dia é uma bênção, e a cada momento há muitas coisas pelas quais podemos ser gratos.

O mundo se abre para nós quando vivemos em um espaço de gratidão.

Quando abençoamos, quando pedimos à Deus, pedimos a partir da fonte de toda a bondade.

Nós podemos compartilhar nossas experiências e compreensão com os outros, não de um espaço de condescendência, mas de conexão.

Quando escolhemos constantemente ser gratos, nós notamos que cada respiração é um milagre e cada sorriso se torna uma dádiva.

Nós começamos a compreender que as dificuldades são também lições inestimáveis.

O sol está sempre brilhando para nós quando somos gratos, ainda que ele esteja oculto atrás das nuvens em um dia chuvoso.

Viva em um estado de gratidão. A bênção da gratidão nos permite propagar a abundância, porque esta é a energia que emana de nossos seres. Porque o mundo sempre reflete para nós o que incorporamos.

Bênçãos adicionais inevitavelmente fluem em nosso caminho. Elas nos dão até mais pelo que sermos gratos. O Universo nos quer enviar bênçãos em abundância.

Quanto mais apreciamos a vida, mais a vida nos aprecia e nos concede mais prosperidade.

Oferecer uma bênção não é uma tarefa difícil. Nossos dias estão cheios de oportunidades intermináveis para praticarmos a arte da bênção. Uma bênção pode ser tão simples que muito freqüentemente nós tomamos por certo o ato de abençoar. A própria vida trabalha através de nós.

As bênçãos, antigas ou modernas, é uma parte importante de nossa fé na vida. Uma bênção é a ponte entre o céu e a terra.

A transmissão do divino que ocorre quando abençoamos é verdadeiramente um momento sagrado. Nós somos os portadores dos sonhos e dos desejos que podem ter se originado em gerações anteriores.

Nunca deixe passar um dia, de alguma maneira, que não evoquemos a visão do bem.

A arte da abundância chama a atenção para as pequenas bênçãos: para aquilo que podemos fazer: descobrirmos as alegrias e os tesouros esquecidos da simples vida diária.

Possamos apreciar e nos lembrarmos da Esquecida Arte da Bênção.

Permita que o Amor flua em sua vida.

As Bênçãos são dons espirituais para compartilhar com outros. Que você possa ser abundantemente abençoado!

NAMASTÊ

A Suave e Esquecida Arte da Bênção, Sasha T. Moore

Adaptação: Pierre Pradervand

Enviado por Patrícia Diane Cota-Robles

Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

sexta-feira, 16 de março de 2012

O CORPO DE DOR, ECKHART TOLLE






No caso da maioria das pessoas, quase todos os pensamentoscostumam ser involuntários, automáticos e repetitivos. Não são mais do que uma espécie de estática mental e não satisfazem a nenhum propósito verdadeiro. Num sentido estrito, não pensamos - o pensamento acontece em nós.

“Eu penso” é uma afirmação simplesmente tão falsa quanto “eu faço a digestão” ou “eu faço meu sangue circular”. A digestão acontece, a circulação acontece, o pensamento acontece.

A voz na nossa cabeça tem vida própria. A maioria de nós está à mercê dela; as pessoas vivem possuídas pelo pensamento, pela mente. E, uma vez que a mente é condicionada pelo passado, então somos forçados a reinterpretá-lo sem parar. O termo oriental para isso é carma.

O ego não é apenas a mente não observada, a voz na cabeça quefinge ser nós, mas também as emoções não observadas que constituem as reações do corpo ao que essa voz diz.

A voz na cabeça conta ao corpo uma história em que ele acredita e à qual reage. Essas reações são as emoções.

A voz do ego perturba continuamente o estado natural de bem-estar do Ser. Quase todo corpo humano se encontra sob grandetensão e estresse, mas não porque esteja sendo ameaçado por algum fator externo - a ameaça vem da mente.

O que é uma emoção negativa?

É aquela que é tóxica para o corpo e interfere no seu equilíbrio e funcionamento harmonioso.

Medo, ansiedade, raiva, ressentimento, tristeza, rancor oudesgosto intenso, ciúme, inveja - tudo isso perturba o fluxo da energia pelo corpo, afeta o coração, o sistema imunológico, a digestão, a produção de hormônios, e assim por diante.

Até mesmo a medicina tradicional, que ainda sabe muito poucosobre como o ego funciona, está começando a reconhecer a ligação entre os estados emocionais negativos e as doenças físicas.

Uma emoção que prejudica nosso corpo também contamina as pessoas com quem temos contato e, indiretamente, por um processo de reação em cadeia, um incontável número de indivíduos com quem nunca nos encontramos. Existe um termo genérico para todas as emoções negativas: infelicidade.

Por causa da tendência humana de perpetuar emoções antigas, quase todo mundo carrega no seu campo energético um acúmulo de antigas dores emocionais, que chamamos de “corpo de dor”.

O “corpo de dor” não consegue digerir um pensamento feliz. Ele sótem capacidade para consumir os pensamentos negativos porqueapenas esses são compatíveis com seu próprio campo de energia.

Não é que sejamos incapazes de deter o turbilhão de pensamentosnegativos- o mais provável é que nos falte vontade de interromper seu curso. Isso acontece porque, nesse ponto, o “corpo de dor” está vivendo por nosso intermédio, fingindo ser nós. E, para ele, a dor é prazer. Ele devora ansiosamente todos os pensamentosnegativos.

Nos relacionamentos íntimos, os “corpos de dor” costumam serespertos o bastante para permanecer discretos até que as duaspessoas comecem a viver juntas e, de preferência, assinem um contrato comprometendo-se a ficar unidas pelo resto da vida.

Nós não nos casamos apenas com uma mulher ou com um homem,também nos casamos com o “corpo de dor” dessa pessoa.

Pode ser um verdadeiro choque quando - talvez não muito tempo depois de começarmos a viver sob o mesmo teto ou após a lua-de-mel – vemos que nosso parceiro ou nossa parceira está exibindo uma personalidade totalmente diferente. Sua voz se torna mais áspera ou aguda, quando nos acusa, nos culpa ou grita conosco, em geral por uma questão de menor importância.

A essa altura, podemos nos perguntar se essa é a verdadeira facedaquela pessoa – a que nunca tínhamos visto antes - e se cometemos um grande erro quando a escolhemos comocompanheira. Na realidade, essa não é sua face genuína, apenas o “corpo de dor” que assumiu temporariamente o controle.

Seria difícil encontrar um parceiro ou uma parceira que não carregasse um “corpo de dor”; no entanto, seria sensato escolheralguém que não tivesse um “corpo de dor” tão denso.

O começo da nossa libertação do “corpo de dor” estáprimeiramente na compreensão de que o temos.

É nossa Presença Consciente que rompe a identificação com o “corpo de dor”. Quando não nos identificamos mais com ele, o “corpo de dor” torna-se incapaz de controlar nossos pensamentos e, assim, não consegue se renovar, pois deixa de se alimentardeles. Na maioria dos casos, ele não se dissipa imediatamente.

No entanto, assim que desfazemos sua ligação com nosso pensamento, ele começa a perder energia.

A energia que estava presa no “corpo de dor” muda sua freqüência vibracional e é convertida em “Presença”. 

enviado por Leise


quarta-feira, 14 de março de 2012

Buda interior



 
 
Dentro de cada um de nós está um tesouro de ouro maciço. Essa essência áurea é o nosso espírito, puro e magnífico, aberto e fulgurante. Mas esse ouro foi recoberto por uma dura carapaça de argila. A argila surgiu do nosso medo. É a nossa máscara social: a face que mostramos ao mundo. Revelar sua sombra deixa à mostra sua máscara. Precisamos olhar para essa máscara com amor e piedade porque é muito importante compreender o que está escondido atrás dela.


Muitos historiadores acreditam que o Buda foi coberto de argila pelos monges tailandeses havia centenas de anos, antes de um ataque do exército birmanês. Eles cobriram o Buda para evitar que ele fosse roubado. No ataque, todos os monges foram mortos; assim, só em 1957, quando estavam transportando a estátua gigantesca para outro lugar, é que os encarregados da mudança descobriram o tesouro. Como o Buda, nosso arcabouço nos protege contra o mundo: o nosso tesouro real está escondido lá dentro. Nós, seres humanos, inconscientemente escondemos nosso interior dourado sob uma carapaça de argila. Tudo o que precisamos fazer para descobrir esse ouro é ter coragem para retirar a camada que recobre nosso exterior, pedaço por pedaço.

Em meus seminários, costumo trabalhar com pessoas que investiram anos seguidos em terapia.  Todas me fazem a mesma pergunta: “Quando isso vai acabar? Quando estarei curado? Quanto tempo ainda terei de trabalhar esses problemas que voltam vezes e vezes sem fim?” Essas pessoas não estão se olhando como magníficos Budas envoltos por uma carapaça de argila. Elas odeiam sua carapaça. Não descobriram que essas crostas de argila as protegem muito mais do que imaginam. Precisamos das carapaças por diversos motivos, e para cada um de nós as razões são diferentes. Mesmo que o nosso objetivo final seja deixar cair nossas máscaras, necessitamos, antes, entendê-las e fazer as pazes com elas. Você acha que, depois que os monges retiraram a crosta de argila do Buda Dourado, ele disse: “Odiei aquela carapaça horrenda?” Ou acredita que o Buda abençoou aquilo que evitara que ele fosse roubado e levado para longe de casa?.

Quando eu era mais jovem, minha carapaça exterior era a minha forma de agir, mostrando-me agressiva, malcuidada e insensível. Ao dizer “fui feita assim”, escondia meus sentimentos de inadequação e dava a mim mesma a ilusão de que eu estava bem. À medida que fui desfazendo minha carapaça, pedaço por pedaço, a minha essência brilhante começou a surgir. Mas só consegui ver além do meu exterior rude quando pude distinguir aqueles aspectos que formavam minha carapaça e que serviam de disfarce para minhas emoções escondidas. Uma vez tendo começado a enxergar entre as rachaduras, fui capaz de deixar cair a carapaça. E quando aprendi a valorizar e a respeitar essa dura carapaça por ter me protegido, minha vida se transformou.

Nossa carapaça exterior é que enfrenta o mundo, escondendo as características que constituem sua sombra. Nossas sombras são tão bem disfarçadas que, muitas vezes, mostramos uma face para o mundo quando, de fato, é o extremo oposto que realmente está dentro de nós. Algumas pessoas usam uma camada de agressividade, que esconde sua sensibilidade, ou uma máscara de humor, para cobrir sua tristeza. As pessoas que “sabem tudo” normalmente estão disfarçando o fato de se sentirem burras, enquanto que as que agem com arrogância precisam ainda revelar sua insegurança. A pessoa gentil, esconde o canalha dentro de si, e a sorridente oculta a irritada. Precisamos olhar além de nossas máscaras sociais para descobrir nosso eu autêntico. Somos mestres do disfarce, enganamos os outros, mas nos enganando também. São as mentiras que contamos a nós mesmos que temos que decifrar. Quando nunca nos sentimos completamente satisfeitos, contentes, saudáveis ou realizando nossos sonhos, é porque essas mentiras estão no nosso caminho. É assim que reconhecemos nossa sombra, quando a trabalhamos.

A mudança requerida é relativa à percepção. Você precisa encarar sua carapaça exterior como algo que lhe serviu de proteção, não apenas como alguma coisa que o impediu de realizar seus sonhos. Sua carapaça exterior é divinamente projetada para orientar seu processo espiritual. Ao revisitar e explorar cada incidente, cada emoção e cada experiência que o levaram a construir essa carapaça, você será guiado de volta ao lar para incorporar a totalidade do seu ser. Nossas carapaças são o guia do nosso crescimento pessoal. São feitas de tudo aquilo que somos e daquilo que não queremos ser. Não importa o quanto seja doloroso o seu passado ou o seu presente; se olhar verdadeiramente para você mesmo e usar a informação armazenada em sua carapaça exterior como um guia, isso o encaminhará em sua jornada para o esclarecimento.

Quando você descobrir a totalidade do seu ser, não precisará mais da carapaça para protegê-lo. Deixará que suas máscaras caiam naturalmente, expondo seu verdadeiro eu para o mundo. Não precisará fingir que é superior ou inferior a qualquer outra pessoa. Todos no mundo são iguais a você. Criamos nossas carapaças a partir do nosso ego ideal. O ego é o “Eu” distinto do outro. O espírito agrupa o “eu” e o outro num só. Quando ocorre essa união entre o espírito e o eu, tornamo-nos unos em relação a nós mesmos e ao mundo. A maioria das pessoas não vão muito longe no processo de revelar sua sombra porque não querem ser honestas consigo mesmas. O ego não gosta de perder o controle. No momento em que você toma conhecimento de todos os seus próprios aspectos, os bons e os maus, o ego começa a sentir uma perda de poder.No The Tibetan Book of Living and Dying, Sogyal Rinpoche explica que: 


          ”O ego é nossa identidade falsa e inconscientemente assumida. Assim, o ego é a ausência do verdadeiro conhecimento de quem somos de fato, junto com o seu resultado: a condenação de ficar presos, a qualquer custo, a uma imagem substituta e remendada de nós mesmos, um inevitável eu camaleônico e charlatão que está sempre mudando e que precisa fazer isso para manter viva a ilusão de sua existência."


do livro:O LADO SOMBRIO DOS BUSCADORES DA LUZ - Debbie Ford

enviado por Leise

sexta-feira, 9 de março de 2012

SACERDOTE MAIA DIZ:"Estão fazendo interpretações equivocadas sobre 2012"


Carlos Barrios, ancião Maia e Ajq'ij (um padre cerimonial e guia espiritual) do clã da Águia. Carlos iniciou uma investigação nos diferentes calendários circulando por aí. Carlos junto com seu irmão Gerardo estudou com muitos professores e entrevistaram cerca de 600 anciões Maia para ampliar sua área de conhecimento.
Carlos descobriu rapidamente que existem várias interpretações conflitantes dos hieróglifos maias, petroglifos, dos livros sagrados de 'Chilam Balam' e de vários textos antigos. Carlos disse palavras fortes para aqueles que podem ter contribuído para a confusão:

Carlos Barrios: "Antropologistas visitam os locais do templo e lêem as inscrições e inventam histórias sobre os Maias, mas eles não lêem os símbolos corretamente. É apenas sua imaginação. Outras pessoas escrevem sobre a profecia em nome dos Maias. Eles dizem que o mundo vai acabar em dezembro de 2012. Os anciões maias estão bravos com isto. O mundo não vai acabar. Ele será transformado.”

"Nós não estamos mais no Mundo do Quarto Sol, mas ainda não estamos no Mundo do Quinto Sol. Este é o tempo no meio, o tempo da transição. Enquanto atravessamos a transição há uma colossal convergência global de destruição ambiental, caos social, guerra, e continuas Mudanças na Terra.”


Ele continua: “A humanidade irá continuar, mas de um modo diferente. As estruturas matérias mudarão. A partir disto nós teremos a oportunidade de sermos mais humanos. Nós estamos vivendo na mais importante era dos calendários e profecias Maia. Todas as profecias do mundo, todas as tradições estão convergindo agora. Não há tempo para jogos. O ideal desta era é ação.”

Carlos nos conta: "Os indígenas têm os calendários e sabem como interpretá-los precisamente – não os outros. Os Calendários Maias compreendem o tempo, estações, e ciclos e se provou vasto e sofisticado. Os Maias entendem os 17 diferentes calendários como o Tzolk'in ou Cholq'ij, alguns deles registrando o tempo acuradamente durante um período de mais de dez milhões de anos”.
Estas palavras não são minhas mas de nossos ancestrais.

"Tudo foi predito pelos ciclos matemáticos dos calendários maias. – Irá mudar – tudo irá mudar. Os guardiões do dia Maia, vêem a data de 21 de Dezembro, 2012 como um renascimento, o começo do Mundo do Quinto Sol. Será o início de uma nova era resultando do e significado pelo meridiano solar cruzando o equador galáctico e a Terra se alinhando com o centro da galáxia.”

No nascer do sol de 21 de Dezembro de 2012 pela primeira vez em 26.000 anos o Sol se erguerá em uma conjunção com a intersecção da Via Láctea e o plano da eclíptica. A cruz cósmica é considerada uma incorporação da Arvore Sagrada, a Árvore da Vida, uma árvore lembrada em todas as tradições espirituais do mundo.

Alguns observadores dizem que este alinhamento com o coração da galáxia em 2012 irá abrir um canal para a energia cósmica fluir através da Terra, limpando-a e a todos que habitam sobre ela, elevando tudo para um nível mais alto de vibração. Carlos nos lembra: “Este processo já começou. A mudança esta acelerando agora e continuara a acelerar. Se as pessoas da Terra puderem chegar até esta data de 2012 em boa forma sem ter destruído muito a Terra, nós iremos nos levantar para um novo, mais alto nível. Mas para chegar lá nós temos que transformar forças imensamente ponderosas que buscam bloquear o caminho.”

Esta data especifica no calendário o Solstício de Inverno no ano de 2012 não marca o fim do mundo. Muitas pessoas de fora escrevendo sobre o calendário maia sensacionalizam esta data, mas eles não sabem. Aqueles que sabem são os anciões indígenas a quem foi confiado manter a tradição.

Carlos nos diz: "A economia é agora uma ficção. Os primeiros cinco anos da transição de Agosto de 1987 até Agosto de 1992 foi o início da destruição do mundo material. Nós avançamos dez anos mais profundamente na fase da transição agora, e muitas das assim chamadas forças da estabilidade financeira são de fato ocas. Os bancos são fracos. Este é um momento delicado para eles. Eles podem quebrar globalmente, se nós não prestarmos atenção. Agora, as pessoas estão prestando atenção.”

O Pólo Norte e o Sul estão ambos quebrando. O nível da água nos oceanos ira aumentar. Mas ao mesmo tempo a terra no oceano, especialmente perto de Cuba, também irá se levantar. Carlos conta uma historia sobre as cerimonias de Ano Novo mais recentes dos Maias na Guatemala. Ele disse que um respeitado ancião Mam, que vive o ano todo em uma solitária caverna na montanha, viajou para Chichicastenango para falar com as pessoas na cerimonia. O ancião entregou uma mensagem simples, direta. Ele chamou os seres humanos para se unirem no suporte de vida e da luz.

"Agora cada pessoa e grupo está seguindo seu próprio caminho. O ancião da montanha disse que há esperança se as pessoas da luz puderem se unir de alguma forma. Nós vivemos em um mundo de polaridades – dia e noite, homem e mulher, positive e negative. Luz e escuridão precisam uma da outra. Elas são uma balança."

"Bem agora o lado escuro esta muito forte, e muito certo do que eles querem. Eles têm suas visões e suas prioridades claramente seguras, e também sua hierarquia. Eles estão trabalhando de muitas formas para que nós não sejamos capazes de conectar com a espiral do Quinto Mundo em 2012.”

"No lado da luz todos pensam que são os mais importantes, que seus próprios entendimentos, ou os entendimentos do grupo, são a chave. Existe uma diversidade de culturas e opiniões, então há competição, difusão, e não um foco único.”

Carlos acredita que o lado sombrio trabalha para bloquear a unidade através da negação e do materialismo. Também trabalha para destruir aqueles que estão trabalhando com a luz para levar a Terra para um nível mais alto. Eles são a energia do antigo, em declínio Quarto mundo, o materialismo. Eles não querem que ele mude. Eles não querem unidade. Eles querem ficar neste nível, e temem o próximo nível.

O poder escuro do Quarto Mundo em declínio não pode ser destruído ou sobrepujado. Ele é muito forte e claro para isso, e esta é a estratégia errada. O escuro só pode ser transformado quando confrontado com simplicidade e abertura do coração. É isto que conduz a unidade, o conceito chave para o Mundo do Quinto Sol.

Carlos disse que a era emergente do Quinto Sol irá chamar atenção para um elemento muito negligenciado. Enquanto os quatro elementos tradicionais da Terra, Ar, Fogo e Água dominaram várias épocas no passado, haverá um quinto elemento para ser reconhecido com o tempo do Quinto Sol – o elemento é ‘ÉTER’.

O dicionário define Éter como uma “substância hipotética que supostamente ocupa todo o espaço, postulada para explicar a propagação da radiação eletromagnética através do espaço.” Talvez ele pudesse ser definido como o “espaço entre o espaço”. Eu sugeriria que ele pode ser manifestado como o alinhamento de partículas carregadas de nosso sistema solar (Sol), e nossa galáxia (Via Láctea) surgem. O elemento Éter representa a energia espiritual.

"O elemento do Quinto Sol é celestial. Dentro do contexto do Éter pode haver a junção das polaridades. Não mais escuridão ou luz nas pessoas, mas uma unidade elevada. Mas agora o reino da escuridão não esta interessada nisto. Eles estão organizados para bloquear a unidade. Eles buscam desbalancear a Terra e seu ambiente para que nós não fiquemos prontos para o alinhamento em 2012.”

"Nós precisamos trabalhar juntos pela paz, e equilibrar com o outro lado. Nós precisamos tomar conta da Terra que nos alimenta e nos abriga. Nós devemos colocar inteiramente nossa mente e nosso coração para perseguir a unidade e unidade agora, para confrontar o outro lado e preservar a vida.”

"Nós estamos perturbados – não podemos brincar mais. Nosso planeta pode ser renovado ou devastado. Agora é o momento de despertar e tomar uma atitude. Todos são necessários. Você não esta aqui por acaso. Todos que estão aqui agora têm um proposito importante. Este é um momento difícil mas especial. Temos a oportunidade de crescimento, mas temos que estar pronto para este momento na historia.”

Carlos disse: "As mudanças profetizadas irão acontecer, mas nossas atitudes e ações determinam quão duras ou leves elas serão. Nós precisamos agir, fazer mudanças, e eleger pessoas para nos representar que entendem e que tomarão ações politicas para respeitar a Terra.”

"Meditação e praticas espirituais são boas, mas também ação. É muito importante ser claro sobre quem você é, e também sobre sua relação coma Terra. Se desenvolva de acordo com sua própria tradição e o chamado de seu coração. Mas se lembre de respeitar as diferenças, e lutar pela unidade. Coma sabiamente – muitas comidas estão corruptas de formas sutis ou grosseiras. Dê atenção ao que você coloca dentro do seu corpo. Aprenda a preservar comida, e a conservar energia. Aprenda boas técnicas de respiração. Seja claro. Siga uma tradição com grandes raízes. Não importa qual tradição, seu coração lhe dirá, mas tem que ter grandes raízes."

"Nós vivemos em um mundo de energia. Uma tarefa importante neste momento é aprender a sentir ou ver a energia de todas as pessoas e todas as coisas – pessoas, plantas, animais. Isto se torna cada vez mais importante enquanto nos aproximamos do Mundo do Quinto Sol, pois ele esta associado ao elemento ‘éter’ – o reino onde a energia vive e tece. Vá aos lugares sagrados da Terra e reze por paz, e tenha respeito pela Terra que nos dá comida, roupa, e abrigo. Nós precisamos reativar a energia destes lugares sagrados. Este é o nosso trabalho.”

"Uma técnica de oração simples mas eficaz é acender velas brancas ou azul. Pense em um momento em paz. Diga sua intenção para a chama e mande a luz dela para os lideres que tem o poder de fazer guerra ou paz.”

Carlos nos lembra de que este é um importante momento crucial para a humanidade e para a Terra. Cada pessoa é importante.

Ele disse que os anciões abriram as portas para que outras raças possam vir para o mundo Maia para receberem a tradição. "Os Maias a muito apreciam e respeitam que existem outras cores, outras raças, e outros sistemas espirituais. Eles sabem que o destino do mundo Maia é relacionado ao destino do mundo todo."

"A maior sabedoria está na simplicidade. Amor, respeito, tolerância, compartilhar, gratidão, perdão. Não é complexo ou elaborado. O conhecimento real é gratuito. Está codificado no seu DNA. Tudo o que você precisa está dentro de você. Grandes professores disseram isso desde o inicio. Encontre seu coração, e você encontrará seu caminho."

Fonte: http://lettertorobin1.site.aplus.net/id435.html , enviado por Francisco Ulisses

quinta-feira, 8 de março de 2012

A CRISE DO DESPERTAR


Nascemos inseridos em uma sociedade adormecida e também pegamos no sono. Absorvemos as crenças como certas e a moral vigente como apropriada. 

Muitos permanecem nesse estado a vida inteira sem questionar nada, em uma psicose coletiva ou como costumo dizer em "comportamento de manada". 

Para acordar desse torpor muitos necessitam de um "solavanco", de um grande susto.
Em algum estágio da vida o torpor coletivo é desafiado por uma crise de proporções gigantescas que abala todas as estruturas da vida da pessoa.

Um confronto existencial que põe em cheque todas as crenças até então consideradas sagradas, todos os pontos de vista, todas as opiniões formadas e tão arduamente defendidas.

É o momento de pular da "manada". Pode ser uma insatisfação crescente com os prazeres da vida, antes tão curtidos, uma crise de depressão sem causa aparente, uma crise de pânico ou ainda pior, o confronto com a morte através de uma doença que põe em questão todos os valores tão arraigados e defendidos.
NÃO HÁ VOLTA!

Só há dois caminhos. Lançar-se no desconhecido buscando novos conhecimentos em consonância com os desejos da sua alma, enfrentando todas as consequencias que isso implica, ou negar o apelo do âmago do seu ser e recuar para o conforto do terreno conhecido, contentando-se com a "tranquilização pelo trivial".
Coloca-se uma máscara de felicidade, mostra-se ao mundo um sorriso falso e lança-se nas luzes e brilhos dos prazeres do mundo.

Abraham Maslow expõe sucintamente esse dilema:

"Se você planeja, deliberadamente, ser menos do que é capaz de ser, será profundamente infeliz pelo resto da sua vida"

Eu acrescentaria dizendo que não só pelo resto dessa vida, mas também levará débitos para a próxima existência. Ficará em recuperação, terá novas provas a serem feitas.

Mas se você optar por auto enfrentar-se, escolher o caminho mais dificil da busca do mestre interior, encontrará o maior bem de toda a existência, a integração com Deus.

Léa Lima
Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Facilitadora Xamânica, Criadora do Sistema de Elixires de Cristais - Pedras de Luz.
Ministra cursos, workshops, palestras e rituais xamânicos.

enviado por Francisco Ulisses

domingo, 4 de março de 2012

Ouça, por favor



Quando peço para você me ouvir e você começa a me dar conselhos, não está fazendo o que eu pedi.
Quando peço para você me ouvir e você começa a me dizer por que eu não deveria me sentir assim, está ferindo meus sentimentos.
Quando peço para você me ouvir e você acha que precisa fazer alguma coisa para resolver o meu problema, você não me ajudou, por mais estranho que pareça.
Não fale nem faça - apenas ouça.
Conselhos são baratos. Com pouco dinheiro, você compra uma revista, um jornal ou um livro cheios de conselhos. E isso eu posso fazer por conta própria. Não sou incapaz.
Talvez me desanime e hesite com frequência, mas não sou incapaz.
Quando você faz por mim alguma coisa que eu posso e preciso fazer por conta própria, você contribui para o meu medo e a minha insegurança.
Mas, quando você aceita como um fato natural que eu sinta o que sinto, por mais irracional que seja, aí eu não preciso me preocupar em convencer você e posso entender o que está por trás desse sentimento irracional.
E, quando isso estiver claro, as respostas serão óbvias e não precisarei de conselhos.
Sentimentos irracionais fazem sentido quando entendemos o que está por trás deles.
Talvez seja por isso que rezar funciona às vezes para algumas pessoas - porque Deus é mudo e não dá conselhos, nem tenta consertar as coisas. Deus apenas ouve e deixa você descobrir as coisas por conta própria.
Então, por favor, apenas ouça, apenas ouça.
E se quiser falar, espere um pouco a sua vez - e eu ouvirei você.

Histórias para aquecer o coração dos adolescentes
Related Posts with Thumbnails